O Plano Plurianual 2012-2015, que foi entregue oficialmente ao presidente do Senado, José Sarney, na manhã desta quarta-feira (31), agrupa os projetos governamentais em 11 "macrodesafios", como erradicação da pobreza, ciência, tecnologia e inovação, educação, cultura, conhecimentos e esporte e infraestrutura, e 65 programas temáticos inseridos em quatro grandes temas (social, infraestrutura, desenvolvimento produtivo e ambiental e especiais). O texto ainda não foi lido em Plenário.


De acordo com informações do ministério do Planejamento, além dos R$ 2,6 trilhões para a área social, serão destinados R$ 1,2 trilhão para infraestrutura, R$ 663 bilhões para desenvolvimento produtivo e ambiental, e R$ 104 bilhões para projetos especiais (política de defesa, integração sul-americana, política externa e economia solidária, entre outros).

Do total de recursos da área social, a Previdência Social recebe 55% (R$ 1,4 trilhão); o aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde fica com 12%, ou R$ 316,7 bilhões; trabalho emprego e renda 10% dos recursos; educação 8%, o fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social 8%, agricultura familiar 4%, Bolsa Família, 3% e demais projetos, 2%.

Na infraestrutura, os setores de habitação e energia são os destaques: 32,6% e 25,1% do total de R$ 1,2 trilhão, respectivamente. O programa Moradia Digna receberá R$ 389,7 bilhões. Na sequência está o programa Petróleo e Gás (19,1%), o setor de transportes, com cinco programas (9,8%), minerais (5%) e demais programas (8,4%).

Nos programas associados à área de desenvolvimento produtivo e ambiental lidera a agropecuária sustentável, abastecimento e comercialização, com 33% do valor total, seguido pelo comércio exterior (27%), desenvolvimento produtivo (15%), micro e pequenas empresas (12%) e demais programas (13%).

Entre os chamados temas especiais, os principais são a política nacional de defesa (51%), o desenvolvimento regional, territorial sustentável e economia solidária (42%), a política externa (4%) e os demais (3%).

Na elaboração do PPA o governo considerou que o Produto Interno Bruto terá alta real de 5% em 2012 e se manterá em 5,5% de 2013 a 2015. O salário mínimo deve subir dos atuais R$ 545 para R$ 619,21 no ano que vem, R$ 676,18 em 2013, R$ 741,94 em 2014 e R$ 817,97 em 2015.

A taxa de câmbio, nas previsões do plano, segue a média da valorização atual, com projeção de R$ 1,64 para o ano que vem, R$ 1,72 para 2013, R$ 1,74 para 2014 e R$ 1,77 para 2015.

Destaques

O site do Ministério do Planejamento destacou as prioridades do PPA para o período de 2012 a 2015:
* Retirar 16 milhões de brasileiros da condição de extrema pobreza, no Plano Brasil sem Miséria
* Construir 2 milhões de moradias no Minha Casa, Minha Vida, das quais 60% para famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil
* Construir 6 mil creches e pré-escolas
* Oferecer 8 milhões de vagas para a educação profissional e tecnológica
* Oferecer 75 mil bolsas de graduação e pós-graduação pelo Ciência sem Fronteiras
* Criar quatro novas universidades e 47 campi federais em todo o país
* Atingir a produção de 3,1 milhões de barris de petróleo/dia
* Construir e adequar 14,7 mil quilômetros de rodovias
* Construir 4,5 mil quilômetros de ferrovias
* Construir e reformar mais de 11 mil unidades básicas de saúde
* Levar internet banda larga a 40 milhões de domicílios

Plano Plurianual 2012-2015


Fonte: Agência Senado

AddThis Social Bookmark Button

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Twitter

Reforma política, já

Nuvem de Tags

Espaço Aberto

Pergunte ao Senador

Portal Oficial da Liderança do PT no Senado

Senado Federal, Praça dos Três Poderes, Ala Alexandre Costa, Gab. 09 | CEP 70160 - 900 | Brasília-DF

Tel.: (61) 3303-3191 | Fax: 3303-1743 | E-mail: asslidpt@senado.gov.br