1º de maio: Dilma cita lucro dos bancos e cobra queda dos juros


A presidenta elevou o tom: "O setor financeiro não tem como explicar essa lógica perversa aos brasileiros".

 

:: Da redação30 de abril de 2012 14:48

1º de maio: Dilma cita lucro dos bancos e cobra queda dos juros

:: Da redação30 de abril de 2012

 

A presidenta Dilma Rousseff elevou o tom e cobrou dos bancos privados novas reduções de juros. “É inadmissível que o Brasil, que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo”, disse ela em pronunciamento em cadeia de rádio e TV na véspera do 1o de maio. “O setor financeiro, portanto, não tem como explicar essa lógica perversa aos brasileiros”.

 

Segundo destacou, “o Brasil de hoje não justifica isso. Os bancos não podem continuar cobrando os mesmos juros para empresas e para o consumidor, enquanto a taxa básica Selic cai, a economia se mantém estável e a maioria esmagadora dos brasileiros honra, com presteza e honestidade, os seus compromissos”, disse referindo-se ao Banco Central, que tem cortado sistematicamente a taxa básica de juros brasileira, hoje em 9%.

 

A ofensiva contra as altas taxas de juros começou no início deste mês quando os bancos públicos – Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – deram início à redução dos juros diretos ao consumidor pessoas física e privada. Desde então as instituições financeiras privadas se viram forçadas a diminuir seus juros, o que não foi considerado o bastante pelo governo. 

 

Dilma Rousseff enfatizou ainda que seu governo não deixará de cobrar que todos façam sua parte para o crescimento do Brasil e de todos os brasileiros. “Garanto às trabalhadoras e aos trabalhadores brasileiros que vamos continuar buscando meios de baixar impostos, de combater os malfeitos e os malfeitores”.

 

Durante o pronunciamento, a presidenta afirmou que é preciso encontrar mecanismos que permitam diminuição dos impostos para produtores e para consumidores, além de uma taxa de câmbio que possibilite a defenda da indústria e da agricultura brasileiras.

 

“Para que o nosso país tenha uma economia mais forte é preciso, ainda, que encontremos mecanismos que permitam uma diminuição equilibrada dos impostos para produtores e para consumidores. E também que tenhamos uma taxa de câmbio que defenda nossa indústria e nossa agricultura, em suma, os nossos empregos, e que o governo utilize os recursos públicos, sempre de forma eficiente e honesta, para que a população sinta, da forma mais efetiva possível, o bom retorno do imposto que paga”.

 

Usufruir da riqueza

Dilma Rousseff iniciou o pronunciamento oficial enfatizando que 1º de Maio “é um bom dia para refletirmos sobre uma verdade nem sempre lembrada”. E completou: “tudo que um país produz é fruto do esforço do trabalhador e, por isso, todo trabalhador tem o direito de usufruir de tudo que o seu país produz”.

 

“Para usufruir cada vez mais da riqueza do Brasil, o trabalhador brasileiro precisa de melhores empregos, de salário digno, educação de qualidade e formação profissional adequada às necessidades do mundo moderno. Para garantir esses direitos do trabalhador, o país necessita consolidar seu crescimento, equilibrar sua economia, diminuir as desigualdades, proteger sua indústria e sua agricultura, desenvolver novas tecnologias e ser, cada vez mais, competitivo e soberano no mundo”.

 

Dilma disse que quer ser lembrada como a presidenta que cuida do desenvolvimento das pessoas, não só do país.

 

“Não quero ser a presidenta que cuida apenas do desenvolvimento do país, mas aquela que cuida, em especial, do desenvolvimento das pessoas. Cuidar do desenvolvimento das pessoas significa lutar por uma saúde melhor para os brasileiros pobres e de classe média; significa prover educação de qualidade em todos os níveis. (…) Cuidar do desenvolvimento das pessoas significa lutar incessantemente para acabar a pobreza extrema em todas as regiões do país; significa enxergar o trabalhador como cidadão e, por isso, pleno de direitos civis; enxergá-lo também como consumidor, com condição de comprar todos os bens e serviços que sua família precise para viver de maneira cômoda e feliz”.

 

Leia também