ARTIGO

Jean Paul: A imprescindível CPMI das Fake News

É nosso dever desbaratar essas milícias virtuais que têm atuado no subterrâneo da internet fraudando processos eleitorais e atentando contra a democracia
:: Senador Jean Paul Prates28 de novembro de 2019 13:04

Jean Paul: A imprescindível CPMI das Fake News

:: Senador Jean Paul Prates28 de novembro de 2019

Os deputados federais Alexandre Frota e Joice Hasselmann têm repetido em entrevistas, depoimentos e postagens nas suas mídias sociais o que grande parte da população já desconfiava: equipes responsáveis por divulgar fake news contribuíram para a eleição do presidente Jair Bolsonaro. Mais do que isso, esse exército armado de mentiras e ofensas continua trabalhando na difamação de adversários e até de aliados, numa luta fratricida para abocanhar nacos de poder.

As acusações são de extrema gravidade e comprovam o quanto o Congresso Nacional acertou em constituir uma comissão parlamentar mista de inquérito para investigar notícias falsas nas redes sociais e assédio virtual. Como integrante da CPMI das Fake News, compreendo que é nosso dever desbaratar essas milícias virtuais que têm atuado no subterrâneo da internet fraudando processos eleitorais e atentando contra a democracia.

Políticos, ativistas, integrantes de movimentos sociais e membros do Judiciário – entre outros segmentos da sociedade – estão sendo atacados e, até, ameaçados na sua integridade física por avatares instrumentalizados, criminosos cibernautas anônimos que agem sob o manto da impunidade. A CPMI das Fake News tem a obrigação de oferecer as devidas respostas à população sobre questões como: quem está financiando esses seres perniciosos à democracia? Há dinheiro público envolvido? O alistamento desse exército insano e mal-intencionado foi autorizado por quem? A quem ele serve?

Os deputados Frota e Joyce estão contribuindo e podem ajudar ainda mais nossa CPMI a desvendar o mistério. Eles estiveram entre os principais aliados de Bolsonaro na campanha e nos primeiros meses de governo. Alexandre Frota foi um dos primeiros a apoiar Bolsonaro e participou ativamente da campanha. Vamos recolher as evidências que eles apresentarem para que haja punição para a quadrilha que faz o serviço sujo de disseminar informações falsas e atacar adversários do presidente da República e seus filhos.

É bom lembrar que até recentemente Joyce foi a líder do governo na Câmara dos Deputados. Que todos os segredos sejam colocados à mesa, inclusive os citados pelo Delegado Waldir, ex-líder do PSL, o ex-partido de Bolsonaro, que foi gravado dizendo que iria implodir o presidente. O que ele sabe? Com certeza, o deputado Waldir é mais um que tem informações importantes e pode compartilhar conosco.

O anonimato é vedado pela Constituição Federal. O Código Penal atribui punições para os crimes contra a honra. Se já existe um aparato legal para coibir a prática da divulgação de notícias falsas que atentam contra terceiros, por que as polícias e o Judiciário não estão atuando? O que está provocando tal omissão? Enquanto o estado de inércia perdura, a população é a principal prejudicada em não ver valer o direito de acessar notícias verdadeiras.

Enquanto proliferam páginas, blogues e perfis especializados em chantagens, agressões e divulgação de mentiras com objetivos políticos ou meramente na busca de cliques para receber remunerações automáticas pagas por empresas como YouTube ou Facebook, as empresas jornalísticas vêm perdendo espaço. Os meios de comunicação que geram empregos, têm capacidade e recursos para apurar notícias e valorizar os bons profissionais não estão sendo valorizados como deveriam.

Por seu lado, têm surgido muitos blogueiros e jornalistas que, ao invés de trabalharem com a divulgação de informações, preferem atuar como chantagistas. A prática da chantagem não é nova, mas se multiplicou com a facilidade das redes. Chantagear se tornou mais barato, acessível e comum. Separar o joio do trigo será fundamental para que os profissionais sérios possam ser valorizados.

Artigo originalmente publicado no jornal Correio Braziliense em 28 de novembro de 2019

Leia também