AGU vai ao Supremo e pede anulação do processo golpista conduzido por Cunha

:: Da redação10 de Maio de 2016 20:39

AGU vai ao Supremo e pede anulação do processo golpista conduzido por Cunha

:: Da redação10 de Maio de 2016

Recurso diz que a intenção de Eduardo Cunha foi apenas uma: “trazer óbices quase que intransponíveis à defesa da Presidenta da República”A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou, nesta terça-feira (10), um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a anulação do processo de impeachment de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. O principal argumento para o pedido é que a forma como o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acelerou a tramitação do pedido configurou desvio de finalidade e, por isso, o processo deve ser anulado pela mais alta Corte do País. 

De acordo com a ação da AGU, os atos praticados por Cunha não continham a imparcialidade necessária ao exercício das funções de presidente da Câmara, já que a aceitação do pedido de impeachment se deu por uma “vingança” à recusa do PT em ajudar a salvar Cunha do processo que corre contra ele no Conselho de Ética da Câmara. 

O mandado de segurança ressalta que o fato foi reconhecido pelo STF quando julgou, na semana passada, a Ação Cautelar 4070 – que determinou, por unanimidade, o afastamento de Cunha ao reconhecer desvio de finalidade em diversas de suas condutas. Durante a análise do caso, o ministro Teori Zavascki, relator da ação cautelar, chegou a dizer que Cunha “transformou a Câmara dos Deputados em um balcão de negócios e o seu cargo de deputado em mercancia”. 

“No mesmo dia em que os deputados do PT integrantes do Conselho de Ética declararam voto pela abertura do processo administrativo contra o Presidente da Câmara, poucas horas depois, ele recebeu a denúncia por crime de responsabilidade contra a Presidenta da República. Era o fim do ‘leilão’”, diz o texto do mandado de segurança. “A intenção do presidente da Câmara dos Deputados, pelas circunstâncias, foi apenas uma: trazer óbices quase que intransponíveis à defesa da Presidenta da República”. 

Para o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, o desvio de finalidade viciou todo o processo desde sua origem. Agora, o processo está próximo de se consumar, com a votação no Senado marcada para a próxima quarta-feira (11). Segundo o AGU, o mandado de segurança não foi protocolado antes porque a decisão de afastamento foi tomada na quinta-feira passada (5) e, nesta segunda-feira (9), o vice-presidente interino da Câmara dos Deputados Waldir Maranhão (PP-MA) anulou a sessão de votação do impeachment no plenário, forçando a AGU a recorrer apenas depois do recuo de Maranhão. 

Cardozo já havia informado que iria recorrer ao STF para anular o processo depois que Cunha foi afastado. “Foi ameaçando a presidenta da República para que obtivesse os votos no Conselho de Ética e, ao não obtê-los, que o presidente Eduardo Cunha desencadeou este processo”, disse Cardozo na ocasião. “Não fosse o presidente Eduardo Cunha agir desta forma, que levou ao seu afastamento hoje, esse processo não teria sido instaurado.” 

Com informações da AGU 

Leia mais:

 

Cardozo: Senado não pode processar e julgar a presidenta sem autorização da Câmara