Ana Rita acompanhará, no Rio, investigação sobre morte de torturador

:: Da redação5 de maio de 2014 14:35

Ana Rita acompanhará, no Rio, investigação sobre morte de torturador

:: Da redação5 de maio de 2014

Senadora participará de reunião para saber das ações a fim de esclarecer suposto assassinato

Ana Rita quer acabar com dúvidas a respeito
do suposto assassinato do coronel Paulo
Malhães

A presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal, senadora Ana Rita (PT-ES), desembarcará no Rio de Janeiro, nesta terça-feira (06), para acompanhar as investigações sobre a morte do coronel reformado Paulo Malhães.

Ao longo do dia a petista se reunirá com representantes da Comissão da Verdade do estado, da Polícia Civil local e do Governo do Rio de Janeiro. O presidente e o vice-presidente da Subcomissão Permanente da Memória, Verdade e Justiça do Senado, João Capiberibe (PSB-AP) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), respectivamente, acompanharão Ana Rita.

A CDH acompanha as investigações sobre a morte de Malhães. A presidente da comissão manifestou que pretende dirimir dúvidas quanto às circunstâncias do suposto assassinato. Na semana passada, em reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a senadora pediu detalhes do andamento do inquérito.

“O ministro afirmou que a Polícia Federal acompanha de perto o caso e que ele próprio já havia conversado com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Também considerou importante a ida da CDH ao Rio de Janeiro”, recordou Ana Rita.

Para João Capiberibe, a morte de Malhães atrapalha o trabalho de comissões da verdade que apuram os crimes cometidos durante a ditadura militar, já que poderá “tolher a participação de outros pretensos depoentes, que, certamente devem estar temerosos com esse episódio”.

Na mesma linha, Randolfe Rodrigues também pediu cuidado na investigação e tende a desconsiderar a hipótese de latrocínio. “Parece pouco plausível, uma vez que a vítima se encontrava com a saúde debilitada e pouca ou nenhuma resistência poderia oferecer ao assalto”, comentou.

Entenda o caso

O coronel reformado do Exército, Paulo Malhães, foi encontrado morto na chácara onde vivia no bairro Marapicu, zona rural de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, na sexta-feira (25), com sinais de asfixia. Em março passado, o militar admitiu à Comissão Nacional da Verdade ter praticado torturas e colaborado para o desaparecimento de opositores da ditadura.

Na época do depoimento, o conteúdo da fala de Paulo Malhães provocou consternação na opinião pública. Por consequência, ganhou força o movimento que defende uma revisão na Lei da Anistia a fim de que seja possível processar e punir algozes confessos.

Agenda

8h30Comissão Estadual da Verdade

Rua Marechal Camara, 210, 4º andar

11hPolícia Civil

Rua da Relação, 42, Centro

Chefe da Polícia Civil – Fernando da Silva Veloso

Delegado que investiga o caso – Pedro Medina

14hSecretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame (a confirmar)

Com informações da assessoria da senadora Ana Rita

Leia mais:

Ana Rita pede rigor na apuração da morte de torturador

Humberto defende punição para assassinos do regime militar


Leia também