Ângela Portela: Brasil avançou no combate à violência contra a mulher

:: Da redação13 de fevereiro de 2012 19:30

Ângela Portela: Brasil avançou no combate à violência contra a mulher

:: Da redação13 de fevereiro de 2012

A senadora Ângela Portela (PT-RO) está em Genebra, participando da 51ª Sessão do Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a Mulher da Organização das Nações Unidas, o CEDAW. A senadora integra a delegação que apresentará o relatório brasileiro sobre as medidas adotadas no País para o combate a todos os tipos de violência contra a mulher.

O documento, de 45 páginas, narra com detalhes todas as ações e políticas públicas implementadas no Brasil com o propósito de prevenir e combater a violência contra a mulher, diminuir as diferenças sociais entre homens e mulheres, garantir saúde, educação e trabalho etc. A reunião do Comitê começou no último dia 11 e seguirá até 18/02.

De acordo com a senadora Ângela Portela, os dados que serão apresentados pelo Brasil, durante a reunião, são bem animadores. “Sem dúvida nenhuma o Brasil avançou muito no combate à violência contra a mulher, principalmente com a Lei Maria da Penha e a criação da Secretaria de Atenção às Mulheres, com status de ministério e recursos próprios para a implantação de programas específicos para as mulheres”.

O relatório, uma espécie de prestação de contas dos compromissos assumidos na 50º Sessão do Comitê, está dividido em 20 temas, envolvendo questões dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Saiba quais são alguns desses temas:

Identificação dos problemas que afligem a população de mulheres no Brasil
Nas coletas de dados populacionais, o governo brasileiro passou a aplicar questionários mais específicos para as variáveis de sexo. A Secretaria de Políticas para Mulheres tem trabalhado de forma estreita com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A parceria deu origem ao Observatório Brasil da Igualdade de Gênero, que tem o objetivo de produzir e monitorar indicadores que subsidiem a formulação de políticas públicas para as mulheres e a promoção da igualdade de gênero no País.

Além do Observatório, a Secretaria mantém, desde o ano passado, em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o Anuário das Mulheres Brasileiras, que reúne diversas estatísticas políticas e sociais. Para o governo, efetivar políticas públicas para as mulheres é uma das condicionantes para a erradicação da pobreza no Brasil. Meta principal do governo da presidenta Dilma Rousseff.

Orientação sexual, avanços tecnológicos e desenvolvimentos genéticos
O reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), está sendo apontado como um dos avanços dos direitos sexuais no Brasil. Com esta decisão, casais homossexuais passam a ter 112 direitos que antes só existiam para casais heterossexuais, como o direito a herança e pensões alimentícias e por morte.

Um dos avanços que serão apresentados na reunião do Comitê, no campo das pesquisas genéticas, é a aprovação da Lei de Biossegurança, que permite a realização de pesquisas com células tronco embrionárias.

Estrutura Nacional sobre Gênero
O Brasil deu uma virada histórica ao reconhecer a necessidade de criação de políticas de gêneros diferentes. A criação da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM), com status de ministério foi um passo importante para a institucionalização de políticas para mulheres em âmbito nacional. Em 2010, a SPM teve uma dotação orçamentária de R$ 89.715.636,00. Em 2011, o orçamento aprovado foi de R$ 109 milhões. Valores bem superiores aos recursos destinados à Secretaria em 2003, R$ 24.135.440,00.

O reflexo da valorização da Pasta, nos últimos anos, refletiu nos estados e municípios. Hoje, são cerca de 400 organismos municipais de políticas para mulheres e 23 organismos estaduais e Distrital. Essas instituições formam uma rede interligada, que desemboca no Fórum Nacional de Organismos de Organismos de Políticas para Mulheres, o qual se reúne uma vez por ano.

Representação Política
A eleição de uma presidenta para o Brasil, também refletiu no crescimento da representatividade feminina no Congresso Nacional. A Bancada Feminina no Parlamento conta hoje com 45 mulheres. Pela primeira vez, uma mulher foi eleita para fazer parte da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Rose Freitas (PMDB-ES) é a Vice Presidente da Câmara dos Deputados e Marta Suplicy, a 1ª Vice Presidente do Senado.

Pacto Nacional para Combater a Violência Contra as Mulheres
O Pacto Nacional é coordenado pela Secretaria de Políticas para Mulheres e é articulado nos níveis nacional, estadual e municipal. Em 2011, os eixos de atuação ficaram assim definidos: implementação da Lei Maria da Penha; ampliação e fortalecimento da rede de serviços para mulheres em situação de violência; acesso à Justiça; enfrentamento à exploração sexual e tráfico de mulheres; e ampliação de direitos. Todos os 27 estados brasileiros são signatários do Pacto e trabalham de forma articulada. Ano passado, houve a adesão do poder Judiciário.

O Pacto Nacional propiciou também um crescimento substantivo da oferta de serviços especializados. Entre 2003 e 2011, o crescimento foi de 161,75%.  Hoje, são oferecidos 928 serviços especializados, como Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (359), Centros de Referência de Atendimento à Mulher (187), Casas-abrigo (72), Defensorias Especializadas (57), e Promotorias Especializadas (48).

O Pacto Nacional para Combater a Violência Contra as Mulheres está entre os colaboradores da implementação do Plano Integrado de Enfrentamento à Feminização da AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis, lançado pelo Ministério da Saúde, em 2007. É responsável também pela implementação da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Ouça a entrevista da senadora Ângela Portela
{play}images/stories/audio/angela_cedaw_1302.mp3{/play}
Clique com o botão direito para baixar o áudio

Leia mais

Leia a íntegra do relatório brasileiro, que será entregue na reunião do Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a Mulher das Organização das Nações Unidas, em Genebra, Suíça.

Leia mais sobre o Observatório Brasil da Igualdade de Gênero

Leia o anuário da Mulher Brasileira 

Eunice Pinheiro

Leia também