Ângela Portela presidirá conselho do prêmio Bertha Lutz

A homenagem é feita às mulheres que “tenham oferecido contribuição à defesa dos direitos da mulher"

:: Da redação4 de abril de 2013 16:06

Ângela Portela presidirá conselho do prêmio Bertha Lutz

:: Da redação4 de abril de 2013

 

angelab377f2_n

A senadora coordenará a escolha do
Diploma Mulher-Cidadã, que já
homenageou 50 mulheres

A senadora Ângela Portela (PT-RR), segunda secretária da Mesa Diretora do Senado Federal, foi eleita, na última quarta-feira (3), presidente do Conselho Diploma Mulher-Cidadã Bertha Lutz. O prêmio foi instituído pela Resolução do Senado Federal 2/2001 com o intuito de homenagear mulheres que “tenham oferecido contribuição relevante à defesa dos direitos da mulher e questões do gênero”. A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) será a vice-presidente do colegiado.

A cerimônia de premiação ocorre em março, anualmente, como parte das comemorações do Dia Internacional da Mulher, no Congresso Nacional. As indicações costumam ser feitas no final do ano anterior e julgadas por uma comissão instituída com esse objetivo. Mais de 50 mulheres já foram agraciadas com o prêmio.

Saiba quem é Bertha Lutz
A bióloga Bertha Lutz foi uma das pioneiras do movimento feminista no Brasil, responsável direta pela articulação política que resultou nas leis que deram direito de voto às mulheres e igualdade de direitos políticos nos anos 20 e 30.

Filha do sanitarista Adolfo Lutz, um reconhecido estudioso da medicina tropical, Bertha nasceu em 1894 e foi educada na Europa. Voltou ao Brasil em 1918, formada em ciências naturais pela Sorbonne francesa para então trabalhar no Museu Nacional. Foi a segunda mulher a ingressar no serviço público brasileiro. Começou daí a militância.

Bertha conheceu os movimentos feministas da Europa e dos Estados Unidos nas primeiras décadas do século e foi responsável pela organização do movimento sufragista no Brasil. Com sua militância científica e política, lançou as bases do feminismo no País.

 

Leia mais:
Bertha Lutz, a mulher que fez a diferença

Dilma: fim da desigualdade de gênero deve ser uma obsessão


Mulheres querem reforma política com equiparação de gênero


Portela saúda novo programa federal “Mulher: Viver sem Violência”


“Mulher: Viver Sem Violência” – Presidenta Dilma pede tolerância zero
 

Leia também