Antártica: Governo garante continuidade de pesquisas e crédito para nova base

:: Da redação6 de março de 2012 20:31

Antártica: Governo garante continuidade de pesquisas e crédito para nova base

:: Da redação6 de março de 2012

Pesquisadores presentes à audiência pública no Senado rechaçaram má qualidade da estação e disseram que investimento em Comandante Ferraz aumentou 10 vezes.


A reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz e a continuidade das pesquisas do Programa Antártico Brasileiro (Proantar) estão garantidos, segundo informou o ministro Celso Amorim, da Defesa, nesta terça-feira (06/03) em audiência pública conjunta das comissões de Meio Ambiente (CMA), Ciência e Tecnologia (CCT) e Relações Exteriores (CRE) do Senado. Na ocasião, o governista detalhou aos senadores as medidas adotadas para tentar reverter os danos causados pelo incêndio que destruiu 70% da estação Comandante Ferraz no último dia 25 de fevereiro.

Para isso, o Governo entrará com um crédito extraordinário de R$ 40 milhões para fazer a remoção de entulhos e instalar pequenos centros de pesquisa de emergência, com a finalidade de dar prosseguimento aos estudos em andamento. Amorim esclareceu que o Ministério Público Militar investiga as causas do acidente e que a primeira fase, marcada por avaliações ambientais e perícias e situação dos alimentos que restaram, deve terminar nos próximos dias.

Na opinião do líder do PT e da Base de Apoio ao Governo no Senado, Walter Pinheiro (BA), este episódio deixa uma “lição”: o Brasil precisa mudar o olhar sobre a ciência e tecnologia e reconhecê-las como áreas estratégicas. “Quando a gente discute pesquisa, esse tema é tratado como um subtema na Comissão de Orçamento ou como uma questão sem importância no contexto das diversas dificuldades que nós temos. E isso nos leva a não encontrar soluções”, afirmou.

O professor e diretor do Centro Polar e Climático da Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), Jefferson Simões, ressaltou a importância das pesquisas desenvolvidas no continente gelado. Segundo ele, o que acontece na região afeta 10% do planeta, por isso, a base brasileira é importante não apenas pelo papel científico e pela preservação ambiental, mas também por uma questão política. E assegurou que o acidente não interrompeu o programa antártico, já que cerca de 60% dos dados estão no Brasil e continuam sendo estudados. “Um cientista maduro não iria perder seus dados de décadas numa tacada só”, avaliou.

Rebatendo as críticas
O ministro interino Luiz Antonio Elias, da Ciência e Tecnologia, rechaçou as especulações de que houve cortes orçamentários nos recursos destinados ao Proantar. “Não houve corte nenhum no programa antártico, do contrário cresceu de forma significativa. Se você olhar apenas a peça orçamentária, ela não é identifica todo o processo. O Ministério da Ciência e Tecnologia trabalha também com o FNDCT [Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico] que congrega uma arrecadação de 15 fundos setoriais voltados para dimensionar a base científica no Brasil. Tivemos, portanto, recursos completados por esse fundo”, afiançou.

viana_0603Na mesma linha, o senador Jorge Viana (PT-AC) observou que embora a imprensa tenha enfatizado uma redução nos gastos orçamentários, se comparando 2010 e 2011, a administração petista ampliou o investimento no programa antártico. “O Proantar precisa de mais investimentos, independente desse lamentável incidente. Mas é fato que durante os governos do presidente Lula e da presidente Dilma, houve um incremento bastante razoável desse orçamento”, observou, tomando por base o Orçamento Geral da União. Numa análise do gasto anual médio deflacionado do programa, verifica-se que o governo Fernando Henrique investiu R$ 5,880 milhões, enquanto a gestão Lula/Dilma aplicou R$ 15,437 milhões.

Levantamento feito pela Liderança do PT no Senado mostrou que os governos dos presidentes Lula e Dilma Rousseff investiram uma média anual bem superior ao que foi gasto pelos governos tucanos no Programa Antártico Brasileiro.

A má qualidade das instalações da Estação também foi refutada por Rosalinda Carmela Montone, pesquisadora e professora da Universidade de São Paulo (USP). De acordo com ela, na última visita que fez a base, há três anos, ela estava bem estruturada e tinha sido completamente revitalizada. Mas reconheceu que havia a necessidade de construir uma nova unidade com padrões ambientalmente mais corretos e segura.

suplicy_0603O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sugeriu que a nova estação deve ser projetada levando em conta as fontes alternativas de energia. O ministro Amorim disse que as novas tecnologias estarão na gênese do projeto. Ele ainda ressaltou que a nova base começará a ser construída entre 2013 e 2014, porque o projeto precisará ser aprovado pelos países que constituem o Tratado Antártico, e poderá custar R$ 100 milhões, tomando por base o gasto das novas estações da Espanha e Coréia.
 

anibal_0603Homenagem às vítimas
No início da audiência, o presidente da CMA, senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), pediu um minuto de silêncio em homenagem aos dois militares, Carlos Alberto Vieira Figueiredo e Roberto Lopes dos Santos, que morreram tentando conter o incêndio na estação Comandante Ferraz. Para o comandante da Marinha do Brasil, Julio Soares de Moura Neto, os oficiais “mostraram o sentimento de amor a Pátria ao irem para o sacrifício máximo na tentativa de proteger a estação”. O comandante também garantiu que a Marinha continuará apoiando as famílias dos vitimados.

O Senador Aníbal Diniz (PT-AC) manifestou sua solidariedade em relação a todos os pesquisadores brasileiros que estão na Antártica “defendendo a nossa bandeira e a nossa ciência”. E se colocou a disposição para ajudar na busca de recursos para a reconstrução da nova estação.

Catharine Rocha

Assista a intervenção do senador Walter Pinheiro
{youtube}kkmBqOfceFY{/youtube} 

Leia mais:

Antártica: Governo quer liberar 40 milhões para ações emergenciais

Governos petistas investiram mais no programa antártico

Leia também