Violência no campo

Assassinatos de quilombolas crescem 350% em um ano

Dados foram revelados em pesquisa divulgada nessa terça (25) por diferentes organizações
:: Brasil de Fato26 de setembro de 2018 10:32

Assassinatos de quilombolas crescem 350% em um ano

:: Brasil de Fato26 de setembro de 2018

O número de assassinatos de quilombolas no Brasil saltou de 4 para 18 em um ano, de 2016 a 2017, o que configura um aumento de 350% no período. O dado é um dos destaques do relatório intitulado “Racismo e violência contra quilombos no Brasil”, divulgado oficialmente na noite da última terça-feira (25).

Élida Lauris, integrante da equipe de coordenação da pesquisa e membro da Terra de Direitos, destaca que os dados expõem o forte racismo contra o povo quilombola. De forma associada a isso, ela ressalta o peso das disputas territoriais promovidas por fazendeiros e outros atores com poder econômico responsáveis por diferentes ataques às comunidades.

“Existem projetos de desenvolvimento que vulnerabilizam as  comunidades e estão associados com as lógicas de racismo ambiental, racismo econômico e de desproteção das comunidades aos lhes recusar os direitos territoriais”, aponta a pesquisadora.

O estudo também levantou dados de assassinatos em anos anteriores. Na série histórica de 2008 a 2017, foram assassinados 32 homens e seis mulheres quilombolas, sendo 29 deles (76,3%) no Nordeste. A região tem histórico de resistência e insurgência popular, especialmente no campo.

Confira a íntegra da matéria

Leia também