Manobra diversionista

Bancada cobra inquérito para investigar “fraude eleitoral”

Para o senador Rogério Carvalho, fraude "é fazer conluio com um juiz para perseguir o líder nas pesquisas e dar um ministério como recompensa"
:: Da redação10 de março de 2020 15:28

Bancada cobra inquérito para investigar “fraude eleitoral”

:: Da redação10 de março de 2020

As bancada do PT no Senado e na Câmara e o PT Nacional acionaram, a Procuradoria Geral da República para abrir um inquérito e investigar suposta “fraude” anunciada pelo presidente, informou o líder do PT, senador Rogério Carvalho (PT-SE). “Fizemos ainda uma representação no Tribunal Superior Eleitoral para que se manifeste diante das graves acusações do Bolsonaro”, adendou o senador. A iniciativa é uma reação à mais recente fake news divulgada por Bolsonaro, durante aparição pública nos Estados Unidos.

O TSE manifestou sua posição em nota, na tarde desta terça-feira, negando qualquer consistência no fake news diversionista divulgado por Bolsonaro, desde os Estados Unidos. “Embora possa ser aperfeiçoado sempre, cabe ao Tribunal zelar por sua credibilidade, que até hoje não foi abalada por nenhuma impugnação consistente, baseada em evidências”, afirmou a instituição. Para o TSE, “eleições sem fraudes foram uma conquista da democracia no Brasil e o TSE garantirá que continue a ser assim”.

“Fraude é a sua eleição ganha com fake news e sem participar de debates”, rebate o líder do PT em suas redes sociais. Para o senador Rogério Carvalho, fraude também “é fazer conluio com um juiz para perseguir o líder nas pesquisas e dar um ministério como recompensa”. E, mais, completou o senador petista, “fraude é a sua política econômica, que está levando fome e miséria aos brasileiros”.

Nota do TSE

Ante a recente notícia, replicada em diversas mídias e plataformas digitais, quanto as suspeitas sobre a lisura das eleições 2018, em particular o resultado da votação no 1º turno, o Tribunal Superior Eleitoral reafirma a absoluta confiabilidade e segurança do sistema eletrônico de votação e, sobretudo, a sua auditabilidade, a permitir a apuração de eventuais denúncias e suspeitas, sem que jamais tenha sido comprovado um caso de fraude, ao longo de mais de 20 anos de sua utilização.

Naturalmente, existindo qualquer elemento de prova que sugira algo irregular, o TSE agirá com presteza e transparência para investigar o fato. Mas cabe reiterar: o sistema brasileiro de votação e apuração é reconhecido internacionalmente por sua eficiência e confiabilidade. Embora possa ser aperfeiçoado sempre, cabe ao Tribunal zelar por sua credibilidade, que até hoje não foi abalada por nenhuma impugnação consistente, baseada em evidências.

Eleições sem fraudes foram uma conquista da democracia no Brasil e o TSE garantirá que continue a ser assim”.

Confira a íntegra das representações junto ao TSE e ao MPF

Leia também