NOTA

Bancada critica reaproximação subalterna do Brasil com os EUA

Senadoras e senadores colocam sob suspeita grave preocupação com o anúncio de que o exército norte-americano participará de um exercício militar na Amazônia
:: Da redação5 de maio de 2017 16:10

Bancada critica reaproximação subalterna do Brasil com os EUA

:: Da redação5 de maio de 2017

A Bancada do Partido dos Trabalhadores no Senado Federal manifesta sua grave preocupação com o anúncio de que o Exército dos EUA participará, a convite do governo brasileiro, de um exercício militar conjunto que será realizado, em novembro deste ano, na tríplice fronteira amazônica entre Brasil, Peru e Colômbia. A sede do exercício militar será na cidade brasileira de Tabatinga.

Trata-se de uma decisão inédita na história militar recente do Brasil, que causa estranheza. O nosso país, até o presente governo ilegítimo, vinha investindo na gestão soberana da Amazônia, em parcerias com países da América do Sul, estabelecidas em mecanismos de cooperação regionais, particularmente os da Unasul e os da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). Assim, esse convite a uma superpotência estrangeira, que não faz parte da Bacia Hidrográfica da Amazônia, representa um “ponto fora da curva”, na tradição de afirmação da soberania nacional numa região estratégica para o país.

Na realidade, esses exercícios vêm na esteira de uma série de iniciativas bilaterais que, no entendimento da Bancada, fazem parte de uma estratégia do governo ilegítimo de reaproximação subalterna aos EUA, tanto no campo da política externa, quanto no campo da política de defesa.

Essa reaproximação subalterna é complementada por uma política claramente entreguista, que visa vender o patrimônio público, inclusive terras, a preços aviltados.

A Bancada do PT no Senado não se opõe, é claro, à cooperação com qualquer país. Porém, a Bancada suspeita que tais iniciativas poderão colocar a defesa brasileira e a nossa indústria de defesa sob a órbita estratégica dos EUA, com prejuízos sensíveis à soberania nacional e ao desenvolvimento tecnológico autônomo do Brasil.

A Bancada acompanhará atentamente esse tema e exigirá explicações, pelos meios constitucionais e legais, das autoridades competentes.

Brasília, 5 de maio de 2017
Bancada do PT no Senado Federal

Leia também