Subserviência

Bolsonaro prejudica produtores de etanol do Brasil para agradar Trump

Atitude de Bolsonaro prejudicará produtores de estanol do País, especialmente aqueles da região Nordeste, alertou Humberto Costa
:: Cyntia Campos5 de setembro de 2019 16:03

Bolsonaro prejudica produtores de etanol do Brasil para agradar Trump

:: Cyntia Campos5 de setembro de 2019

Para agradar ao chefe Donald Trump, Bolsonaro acertou um duro golpe nos produtores brasileiros de etanol, provocando um sério prejuízo, principalmente ao Nordeste. Na reunião da última sexta-feira (30) de agosto entre o chanceler Ernesto Araújo e o aspirante a embaixador com o presidente norte-americano Donald Trump foi acertada a ampliação 600 milhões de litros para 750 milhões de litros a cota anual de importação de etanol dos EUA isenta da alíquota de 20%.

A decisão foi rapidamente publicada no Diário Oficial do final de semana.

Prejuízo ao Nordeste
“Os exportadores norte-americanos de etanol disporão de mais 150 milhões de litros anuais para inundar o mercado brasileiro com o seu produto subsidiado”, protestou o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), ressaltando que os principais estados prejudicados são exatamente os do Nordeste, a região mais pobre do País, em particular Pernambuco e Alagoas.

Humberto explica que o Brasil e os Estados Unidos são hoje os dois maiores produtores de etanol do mundo—juntos, respondem por 85% da produção mundial. O etanol brasileiro, porém, é feito da cana-de-açúcar, enquanto o etanol americano é feito de forma supersubsidiada, a partir do milho.

Subsídios
Os subsídios concedidos pelo governo dos EUA a seus produtores de etanol impulsionaram essa indústria. Se em 2006 os Estados Unidos chegaram a importar 1,7 bilhão de litros do Brasil, passaram a exportar boa parte da sua produção a partir de 2015.

Para regular a inundação de etanol norte-americano no nosso mercado, o Brasil impôs, há dois anos, uma tarifa de 20% sobre os embarques do produto que ultrapassem a cota anual de 600 milhões de litros.

Barreira inconveniente
Essa modesta barreira, porém, não convém ao país de Trump, que vê seu mercado de etanol minguar no mundo: a China está deixando de comprar o produto, no âmbito da guerra comercial travada com os EUA.

Os europeus também deram um freio nas importações, aplicando medidas antidumping contra o álcool americano, já que o excesso de subsídios estatais à produção redunda em concorrência desleal.

Amigos
Mas quem tem amigos, tem tudo e lá se foi Bolsonaro resolver o problema do “irmão do Norte”, ampliando a cota de etanol americano que vai entrar no Brasil isento dos 20%. Trump comemorou entusiasmado a oferenda levada por Eduardo Bolsonaro em sua visita à Casa Branca.

“Até o Ministério da Agricultura do governo Bolsonaro se colocou contra essa medida, mas prevaleceu a opinião do Ministro da Economia”, lembra Humberto Costa. A concessão de Jair Bolsonaro a Donald Trump sequer cobra contrapartidas, como a abertura do mercado norte-americano ao açúcar brasileiro.

Leia mais:
“Agronegócio deu um tiro no pé ao apoiar Bolsonaro”, avalia Humberto

Leia também