Brasileiro vence disputa pela direção-geral da OMC

Roberto Azevêdo contou com o apoio do grupo Brics, além dos países de língua portuguesa e de várias nações da América Latina, da Ásia e da África

:: Da redação7 de maio de 2013 17:27

Brasileiro vence disputa pela direção-geral da OMC

:: Da redação7 de maio de 2013

Azevedo conta com reputação de hábil
negociador. Ele foi chefe de delegação
em litígios importantes vencidos pelo
Brasil na OMC

A Organização Mundial do Comércio (OMC) elegeu, nesta terça-feira (7), para o cargo de diretor-geral da entidade o embaixador brasileiro Roberto Carvalho de Azevêdo, de 55 anos, que disputou a vaga com o mexicano Herminio Blanco. O novo diretor-geral assume o cargo em 31 de agosto substituindo o francês Pascal Lamy. O número de votos obtido pelo brasileiro só deve ser revelado mais tarde.

Roberto Azevêdo contou com o apoio do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), além dos países de língua portuguesa e de várias nações da América Latina, da Ásia e da África. Desde 2008, ele é representante permanente do Brasil na OMC. Azevêdo está diretamente envolvido em assuntos econômicos e comerciais há mais de 20 anos. Participou de quase todas as conferências ministeriais desde o lançamento, em 2001, das negociações de Doha sobre a liberalização do comércio mundial. Azevedo conta com reputação de hábil negociador. Ele foi chefe de delegação em litígios importantes vencidos pelo Brasil na OMC, como nos casos dos subsídios ao algodão contra os EUA e ao açúcar contra a União Europeia (UE).

O embaixador brasileiro, que é diplomata de carreira, foi chefe do Departamento Econômico do Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, de 2005 a 2006, e chefiou a delegação brasileira nas negociações da Rodada Doha da OMC, sobre liberalização de mercados.

Na eleição da OMC, cada um dos 159 países que integram o órgão vota no nome de sua preferência. Para vencer, é preciso ter um mínimo de 80 votos. A escolha é feita em três etapas. O presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e do México, Enrique Peña Nieto, participaram diretamente das negociações, dando telefonemas e conversando com os líderes mundiais.

Com informações da Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Leia também