Corrupção eleitoral

CNJ vai apurar atuação parcial de Moro na eleição presidencial

A investigação atende pedidos de senadores e deputados federais petistas que denunciam vazamentos da Lava Jato durante a campanha e negociação da indicação para ministro antes da eleição.
:: Tatihele Ramos Assunção10 de novembro de 2018 11:07

CNJ vai apurar atuação parcial de Moro na eleição presidencial

:: Tatihele Ramos Assunção10 de novembro de 2018

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) vai apurar a atuação de Moro no processo eleitoral e sua indicação para o cargo de ministro da Justiça. A decisão atende pedidos feitos por senadores e deputados federais do PT e pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia. O ministro Humberto Martins do STJ (Superior Tribunal de Justiça) deu 15 dias para Moro prestar as informações. Os pedidos foram reunidos e apensados em um.

O pedido de averiguação dos atos do magistrado durante o processo eleitoral foi apresentado pelos parlamentares na terça-feira passada. “Ao liberar desnecessariamente o sigilo e franquear ou permitir o vazamento do conteúdo da oitiva do ex-ministro Antônio Palocci, no bojo do encerramento do processo eleitoral, o juiz Sérgio Moro agiu, mais uma vez, com parcialidade, sem a observância da legalidade”, diz o texto do pedido.

A ação também pede que Moro seja impedido de assumir o Ministério da Justiça durante a investigação. Segundo o documento apresentado pelos parlamentares petistas, a principal evidência é que Moro aceitou assumir o Ministério da Justiça na gestão Jair Bolsonaro, no dia 2 de outubro. Na ocasião, o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, afirmou que o convite ao juiz havia sido feito ainda durante o processo eleitoral.,

Assinaram o pedido de investigação a senadora e presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Rocha (PT-PA), Humberto Costa (PT-PE) e Jorge Viana (PT-AC), além dos deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP).

Leia mais:
CNJ investiga indicação de Moro como ministro de Bolsonaro

Leia também