cpi da covid

CNS entrega documentos que contribuem com CPI

Material reúne série de fatores que podem constatar a negligência do Ministério da Saúde
:: SUS Conecta19 de maio de 2021 18:06

CNS entrega documentos que contribuem com CPI

:: SUS Conecta19 de maio de 2021

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) entregou no Senado Federal, na manhã desta quarta (19), o documento intitulado “Contribuição do Conselho Nacional de Saúde para a CPI da Pandemia da Covid-19​” para senadores que estão participando dos inquéritos. O material reúne uma série de fatores que podem constatar a negligência do Ministério da Saúde (MS) e do governo federal diante das ações contra a crise sanitária. Oficialmente, o compilado de documentos foi registrado no Sistema Eletrônico de Informações (SEI), do MS, e enviado ontem para a CPI.

O compilado de recomendações, moções, pareceres técnicos, notas públicas, dentre outros posicionamentos, enviados ao Ministério da Saúde e que não foram atendidos, chegou às mãos do senador Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI; e dos senadores Humberto Costa (PT-PE) e Rogério Carvalho (PT-SE). O material elaborado pelo CNS deve ser utilizado como fonte para a continuidade das investigações. Na ocasião, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prestava depoimento à CPI.

Foto: Danilo Cézar Castro Lima

O documento foi entregue aos senadores por Fernando Pigatto, presidente do CNS, ao lado dos demais representantes da Mesa Diretora do Conselho: Priscilla Viégas, Vanja dos Santos e Moysés Toniolo. A expectativa é que ainda hoje, durante a tarde, o documento seja entregue também nas mãos do Senador Renan Calheiros, relator da CPI.

Antecedentes: CNS como testemunha
No dia 9 de março, a Procuradoria da República no Distrito Federal (PRDF/MPF), do Ministério Público Federal, notificou o CNS para depor, como testemunha, nos autos do Inquérito Civil instaurado para apurar supostos atos de improbidade administrativa atribuídos ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em decorrência da alegada ilegalidade da utilização de recursos públicos para aquisição de medicamentos sem eficácia para o tratamento da Covid-19.

Confira a íntegra da matéria

 

Leia também