Colunas da ‘grande imprensa’ geram desconfiança no sistema político

“Só quem pouco conhece o modo como a maioria das pessoas concebe a vida política suporia que elas iriam acreditar no enredo sobre o ‘mensalão’ ...

:: Da redação10 de setembro de 2012 14:52

Colunas da ‘grande imprensa’ geram desconfiança no sistema político

:: Da redação10 de setembro de 2012

Quase todos os domingos, o colunista do Correio Braziliense, Marcos Coimbra, que também é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi, traz em seu texto um sentimento que difere do espírito de manada que predomina em quase todas as colunas dos jornais mais influentes do Brasil. Neste domingo (09/09), não foi diferente. Seu artigo pergunta no título “Quem ganha?”, questionando até onde pode ir (e o que pode causar) a imaginação dos “analistas da ‘grande imprensa’” (as aspas são do texto original), mesmo que a realidade desminta projeções, ponderações e condenações que os colunistas costumam lançar em seus textos.

O assunto deste domingo são as dezenas, centenas de vezes em que o chamado “mensalão” foi colocado como ingrediente explosivo das eleições municipais deste ano. Para os analistas da grande imprensa, o julgamento da Ação Penal 470 no Supremo iria ferir mortalmente o PT, causando derrotas eleitorais em todos os estados brasileiros – ilusões que as pesquisas de intenção de voto estão desmentindo.
Marcos Coimbra vai além dos erros das bolas de cristal que as colunas vêm utilizando para prever o futuro. Seu texto mostra o efeito danoso da visão unilateral que os grandes jornais tentam impor à população:

Quem ganha? – Marcos Coimbra – Correio Braziliense – 09/09/2012

Com sua proverbial dificuldade de compreender os sentimentos do cidadão comum, os analistas da “grande imprensa” imaginaram um desfecho para as eleições deste ano que a realidade está desmentindo.
A hipótese central com que trabalhavam era que, especialmente nas principais capitais, o julgamento do “mensalão” desgastaria o PT e os partidos da base do governo. Inversamente, que beneficiaria os candidatos da oposição.
O palco por excelência de confirmação da tese seria São Paulo. Lá, achavam que o “primeiro ato” da sucessão presidencial de 2014 iria ocorrer e que o resultado seria desfavorável aos petistas.

Combalido pelo “mensalão”, Lula veria seu indicado perder para José Serra, natural depositário dos sentimentos de rejeição ao PT aguçados pelo julgamento.
E esse seria apenas o caso mais fulgurante de um conjunto de derrotas do “lulopetismo”. Nas grandes cidades, a oposição sairia fortalecida.
Mas é exatamente em São Paulo que estamos constatando que a realidade é diferente. Lá, nada disso acontece.
Se o “mensalão” joga algum papel na eleição, não é o que esperavam.
Só quem pouco conhece o modo como a maioria das pessoas concebe a vida política suporia que elas iriam acreditar no enredo sobre o “mensalão” que lhe é oferecido diariamente pela mídia.
Que existe um lado “mau” — onde estão o PT, suas lideranças e aliados –, e um lado “bom” — onde ficam os que querem vê-los pelas costas. Que os “maus” são responsáveis por coisas horrorosas, que os “bons” jamais praticam.
Não é assim que pensam as pessoas normais. Elas sabem que essa história tem tanta verossimilhança quanto os antigos filmes de caubói.

Por maior que tenha sido o esforço de alguns de nossos jornais de particularizar as culpas do “mensalão”, por mais que tenham tentado circunscrevê-lo e delimitá-lo (por exemplo, o destacando como “o maior escândalo de todos os tempos”), não conseguiram.
Como mostram as pesquisas, naquilo que a vasta maioria da população considera relevante, ele nada tem de único, de especialmente grande ou de característico de petistas e aliados.
O que a ênfase extraordinária no assunto acabou por provocar foi o aumento da “taxa geral de desconfiança” da opinião pública contra o sistema político.
Ela não ficou mais desconfiada do PT. Mas dos partidos e dos políticos de forma indistinta.
O momento que vivemos tem certa semelhança com o que aconteceu na véspera de outra eleição municipal, a segunda do Brasil moderno. Em 1988, escolhemos prefeitos em meio a uma crise de confiança da sociedade em relação ao sistema político.

A sensação de que o governo Sarney era incompetente na luta contra a inflação, que a corrupção corria solta, que os políticos só se preocupavam com seus interesses pessoais, levou o eleitorado de várias cidades a apostas de risco. O desconhecido ficou atraente.
No ano seguinte, elegemos Fernando Collor.
Os tempos são — ainda bem! — outros. Graças à sensação de que no Planalto está um governo que responde adequadamente aos desafios e é sensível ao que a maioria deseja.
É claro, também, que cada um é cada um. Mas não deixa de ser curioso o paralelo: a atração por “políticos diferentes” aumenta na razão direta da percepção de que o sistema político é inconfiável.
Celso Russomano é expressão do fenômeno. E é irônico que a maior vítima do antipetismo esteja sendo seu principal avatar.

PS
: Em Curitiba, lidera Ratinho Junior, do PSC. Na televisão, faz questão de se apartar dos ‘políticos tradicionais’.”

Leia também