64 nunca mais

Comemorar ditadura pode gerar improbidade, afirma MPF

Órgão federal reage à orientação dada por Jair para que se “faça as as comemorações devidas” do golpe de 64
:: Agência PT de Notícias27 de março de 2019 09:34

Comemorar ditadura pode gerar improbidade, afirma MPF

:: Agência PT de Notícias27 de março de 2019

A orientação de Jair Bolsonaro para que o Exército realizasse “as comemorações devidas” do golpe de 64 causou repulsa imediata nos familiares das vítimas da Ditadura Militar, nas organizações sociais de denúncia aos crimes do período e em grande parte da sociedade civil.  Mas não só.  Menos de 24 horas depois de a notícia ser divulgada pelo porta voz do governo, o Ministério Público Federal emitiu nota em que afirma ser “incompatível com o Estado Democrático de Direito festejar um golpe de Estado e um regime que adotou políticas de violações sistemáticas aos direitos humanos e cometeu crimes internacionais”.

O documento, elaborado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, também  resgata, em tom de alerta, às “manifestações anteriores do atual presidente da República” que “indicam que o sentido da comemoração pretendida refere-se à ideia de festejar a derrubada do governo de João Goulart em 1º de abril de 1964 e a instauração de uma ditadura militar’”.

Em suma, o que o MPF faz questão de mencionar na nota pública é que não há qualquer legitimidade legal em se instaurar regimes semelhantes àquele após a abertura democrática e a elaboração da Constituição Federal. Tanto que, ao contrário do que Bolsonaro tenta se fazer acreditar, os próprios procuradores federais reconhecem que a Ditadura Militar no Brasil passou muito longe de ser uma revolução – termo usado por Jair desde os tempos em que era um irrisório e inativo deputado.

Confira a íntegra da matéria

Leia mais:

Comemorar ditaduras é incompatível com a democracia

Leia também