Comissão aprova relatório da área social e preserva recursos do Bolsa Família

:: Da redação8 de dezembro de 2015 13:37

Comissão aprova relatório da área social e preserva recursos do Bolsa Família

:: Da redação8 de dezembro de 2015

Relatório foi aprovado mantendo a maior parte dos recursos previstos inicialmente para o programaA Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou, nesta segunda-feira (7), o relatório setorial com as dotações previstas no próximo ano para os programas mais relevantes do governo na área social. O texto, relatado pelo deputado João Fernando Coutinho (PSB-PE), preservou o valor destinado ao programa Bolsa Família em 2016. 

Coutinho disse que sua decisão de manter os valores sugeridos pelo Planalto busca preservar o poder de compra da população no momento em que o País vive uma crise econômica. “É uma ação fundamental para o combate à fome, problema que vem acontecendo especialmente com o agravamento dessa crise [econômica] e da crise hídrica, que ocorre não só no Nordeste, mas também no Sudeste”, declarou. 

Coutinho fez apenas um ajuste, a pedido do próprio Executivo, que reduziu em R$ 100 milhões o montante reservado para o programa, que saiu de R$ 28,2 bilhões, valor contido no texto orçamentário enviado em agosto, para R$ 28,1 bilhões, aprovado hoje. 

O Bolsa Família tem sido motivo de polêmica neste ano na comissão desde que o relator-geral da proposta orçamentária de 2016 (PLN 7/15), deputado Ricardo Barros (PP-PR), anunciou o desejo de rever os dados do programa social para identificar problemas, como fraudes, e cortar R$ 10 bilhões da despesa fixada para o próximo ano. 

A decisão de Coutinho não é, porém, definitiva. Barros poderá reduzir destinações para programas sociais quando estiver elaborando o parecer final da proposta orçamentária, que também deve ser votado na Comissão de Orçamento. O relator terá de fechar um texto com a meta de superávit primário do próximo ano, que é de R$ 34,4 bilhões para o governo federal. Segundo Barros, isso somente poderá ser feito com cortes nas despesas. “Isso é inevitável”, afirmou. 

Salário mínimo

O relator-geral terá também de alocar mais R$ 1,8 bilhão para garantir o pagamento do salário mínimo de 2016. Coutinho estima que o valor ficará em R$ 871 – a proposta orçamentária foi elaborada com a previsão de R$ 865,50. O aumento deve-se à nova previsão do índice inflacionário usado para reajustar o mínimo (INPC) neste ano. 

O INPC, inicialmente projetado para encerrar 2015 em 9,67%, agora é estimado em 10,37%. O aumento de 0,7 ponto percentual acrescenta R$ 1,8 bilhão aos gastos públicos. O salário mínimo impacta despesas com abono salarial e seguro desemprego, benefícios previdenciários e benefícios assistenciais. 

Outros relatórios

Nesta segunda, a CMO também aprovou o relatório da área de Indústria, Comércio e Micro Pequenas Empresas, a cargo do senador Hélio José (PSD-DF). Os 14 relatórios restantes deverão votados pelo colegiado nesta terça-feira (8), a partir das 9 horas, no plenário 2. A presidente da comissão, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), voltou a afirmar que pretende votar entre esta semana e o início da próxima o parecer final da proposta orçamentária. 

 

Fonte: Agência Câmara

Leia também