Copa deve gerar 700 mil empregos e movimentar R$ 183,2 bilhões

:: Da redação15 de setembro de 2011 13:37

Copa deve gerar 700 mil empregos e movimentar R$ 183,2 bilhões

:: Da redação15 de setembro de 2011

Estimativa é que o impacto no PIB chegue a 0,4% ao ano, até 2019

O impacto econômico resultante da realização da Copa 2014 no Brasil pode chegar a R$ 183,2 bilhões, dos quais R$ 47,5 bilhões (26%) são diretos e R$ 135,7 bilhões indiretos (74%), de acordo com estudo do Ministério do Esporte. A estimativa é que o impacto no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro chegue a 0,4% ao ano, até 2019. No período 2010-2014 devem ser gerados 700 mil empregos diretos e indiretos relacionados à Copa.

Além do crescimento na economia, o Brasil terá oportunidade de ser mais conhecido e qualificar a imagem no exterior.

De acordo com o ministro do Esporte, Orlando Silva, será lançado em setembro edital para a produção de campanha de promoção do Brasil no exterior. “O Mundial é um evento que se autopromove, mas devemos aproveitar a oportunidade para promover o Brasil”, lembrou. O ministro também informou que um novo balanço deve ser apresentado em quatro meses.

Custo – O custo do evento é da ordem de R$ 22,46 bilhões, de acordo com a consultoria Ernst & Young em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), realizado em 2010. Nesta conta estão incluídos os investimentos para garantir a infraestrutura e a organização da Copa do Mundo. Desse valor, a estimativa é de 40% do setor público e 60% da iniciativa privada.

Um dos setores que receberá um impulso é o do entretenimento em torno do próprio futebol, principalmente porque contará com novas arenas para receber o público com mais conforto.

 

Sebrae mapeia oportunidades de negócios

Levantamento do Sebrae, feito em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), mapeou 930 oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo. O estudo engloba nove setores da economia: agronegócio, madeira e móveis, vestuário, serviços, comércio varejista, construção civil, turismo, produção associada ao turismo e tecnologia da informação.

“É preciso preparar as empresas, micro empresas e também os empreendedores individuais, para que eles possam realizar negócios e, principalmente, desenvolver seus empreendimentos, seus processos de gestão e ser mais inovadores”, afirma o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto.

As oportunidades foram identificadas por recomendações de especialistas e validadas por grupos de empresários e representantes locais. Esses segmentos incluem as compras governamentais (com as garantias previstas na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa) e os negócios diretamente com o mercado – que representam a maior parte das oportunidades. O mapeamento é uma das ações do Programa Sebrae 2014, que receberá, até 2013, investimentos de R$ 80 milhões.

Secom

Em Questão

Leia mais

Plano unirá esforços dos três níveis de governo para garantir segurança

Melhoria do transporte coletivo será um dos legados

 

Prazos e metas da Copa 2014 estão sendo cumpridos

Leia também