CPI Cachoeira convoca Pagot, Cavendish, Paulo Preto e Raul Filho

Mesmo após convocação irrestrita, minoria mantém discurso da partidarização e da falta de isonomia. Bancada do PT votou a favor do depoimento de Cavendish, Pagot e do prefeito de Palmas.

:: Da redação6 de julho de 2012 14:00

CPI Cachoeira convoca Pagot, Cavendish, Paulo Preto e Raul Filho

:: Da redação6 de julho de 2012

 

cpmi_interna_odair

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a organização criminosa chefiada por Carlinhos Cachoeira e suas relações com entidades públicas e privadas aprovou, nesta quinta-feira (05/07), a convocação de diversos personagens, cuja ida à CPMI a mídia e a oposição vêm cobrando há várias semanas, contrariando a direção da Comissão que decidiu, antes, unir informações sólidas para as oitivas. Assim, foram aprovados os requerimentos para ouvir o ex- presidente da Delta, Fernando Cavendish, o ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot, o ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S.A (Dersa) Paulo Vieira de Souza, conhecido o Paulo Preto, e o  prefeito de Palmas, Raul Filho (PT), além da ex-mulher de Carlos Cachoeira, Andréa Aprígio, entre outros. As convocações, reunidas em bloco pelo relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), obtiveram aprovação unânime, com 28 votos a favor.

Mas a aprovação foi entremeada sob celeuma, porque a oposição empenhou todas as forças para também trazer à CPMI o tesoureiro de campanha do PT de 2010, deputado federal José de Filippi (PT-SP), que terminou sendo rejeitada por 17 votos a 10. Numa sessão confusa, barulhenta, com muito bate-boca, a oposição tomou a derrota para fermentar sua tese de que a CPMI partidariza suas decisões. Ocorre, porém, que nem todos os votos que derrubaram a convocação de Fillipi vieram dos governistas.

walter_interna_cpmiTentando trazer um pouco de lucidez ao intenso bate-boca que se formou, o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), pediu a palavra para demonstrar que a convocação de Filippi não atendia aos objetivos da CPMI, mas era tão somente uma represália da oposição à convocação de Paulo Preto, notório arrecadador de campanhas tucanas. “Essa suposta conversa (entre Filippi e Antônio Pagot) não o vincula à organização criminosa que é tema dessa CPMI”, alertou, Pinheiro, chamando a atenção para a intenção da oposição em criar “um caminho alternativo e absurdo de colocar a presidenta Dilma nesta CPMI”. Pinheiro referiu-se a uma tentativa – frustrada – de convocar a presidenta para depor. O líder esclareceu ainda que não se tratava de chamar o tesoureiro de campanha de um ou de outro, mas das relações existentes entre os depoentes.

Paulo Preto é apontado por Pagot com a pessoa que pressionou o Dnit a realizar um aditivo irregular, no valor de R$ 260 milhões, ao contrato das obras do trecho sul do Rodoanel paulista. Segundo Pagot, essa dinheiro teve como destino a campanha eleitoral do PSDB de 2010 por meio de caixa 2. Na mesma entrevista, Pagot revelou ter apenas ajudado Filippi, intermediando pedidos de arrecadação para a campanha do PT. Pedidos esses que foram devidamente registrados na Justiça Eleitoral.

O deputado Sílvio Costa esclareceu que Pagot afirmou, em entrevista, que havia liberado recursos da ordem de R$ 750 milhões, quando era diretor do DNIT. Esses recursos teriam sido repassados, segundo Costa, “ao governo Serra”. “É por isso que queremos convocar esse senhor (Paulo Preto) para depor”, explicou, rechaçando as acusações de que a CPMI estaria com medo de convocar pessoas. “Quem está com medo aqui é parte da oposição”, disparou. Ele disse ainda querer saber detalhes da acusação de que  a Delta teria recebido recursos “dos quais R$ 750 milhões no governo Serra”.

Sobre Paulo Preto, Odair disse que “há uma denúncia expressa de crime” e no caso de Filippi, apenas uma declaração sobre doações de campanha. “Não estamos investigando o caixa de campanha de quem quer que seja, mas os tentáculos de uma organização criminosa”, recordou.

Prefeito de Palmas
Mas a oposição tumultuou o quando pode a sessão da CPMI, apesar da comprovação da inexistência de qualquer partidarização comprovada pela convocação do prefeito de Palmas, Raul Filho, do PT. Ele está sendo chamado para explicar o encontro registrado em vídeo por Carlinhos Cachoeira que foi apresentado pelo Fantástico da Rede Globo, no último domingo (1º/06). Na gravação feita pela quadrilha, Cachoeira oferece ajuda ao “projeto de poder” de Raul Filho, que, na época, encontrava-se em campanha. Em troca, a prefeitura privilegiaria contratações de empresas indicadas por Cachoeira.

Raul Filho transformou-se, assim, no novo personagem da CPMI com menos tempo de exposição na mídia. Oriundo do PPS, Raul Filho não tem aprovação unânime do PT de Tocantins, que chegou a expulsá-lo do partido no ano passado, em decisão que foi indeferida posteriormente pelo Diretório Nacional do PT.

Em resposta às acusações de que estaria protegendo petistas, o relator da CPMI, Odair Cunha, lembrou que várias pessoas ligadas ao partido já haviam sido convocadas e falaram à Comissão – inclusive o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. “Quando falam em direcionamento, visam inibir nossa função de investigar”, protestou, assegurando que não cederia às pressões.

Giselle Chassot

Leia também