CPMI do Cachoeira decide pela não criação de sub-relatorias

Requerimento para dividir os trabalhos foi derrotado por 16 votos a 4. Procuradores devem ser ouvidos na próxima semana.

:: Da redação14 de agosto de 2012 13:42

CPMI do Cachoeira decide pela não criação de sub-relatorias

:: Da redação14 de agosto de 2012

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira rejeitou, nesta terça-feira (14/08), requerimento para criação de sub-relatorias para tratar de setores específicos de investigação. O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) defendeu a proposta, alegando que existem dados, como os de movimentação financeira, análise de contratos e jogos ilegais e loterias que precisariam de um trabalho mais detalhado. O relator, deputado Odair Cunha (PT-MG) rebateu o argumento de Bueno, lembrando que essa questão já foi debatida e superada quando a CPMI aprovou seu plano de trabalho.

A criação de sub-relatorias é uma antiga polêmica na CPI. Atualmente, a relatoria está a cargo apenas de Odair Cunha (PT-MG), mas parlamentares da oposição queriam forçar a divisão dos trabalhos. Foram derrotados por 16 votos a 4.

No total, constam da pauta de hoje 343 requerimentos. Entre eles, estão propostas de convocação do diretor da revista Veja em Brasília, o jornalista Policarpo Júnior, suspeito de manter relações com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Próximos depoimentos

No início da sessão desta terça-feira, o presidente da CPMI, senador Vital do Rego (PMDB-PB) informou que, na próxima terça-feira (21/08), serão ouvidos os procuradores do Ministério Público Federal em Goiás, Daniel Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira. Eles trabalham nos inquéritos relativos às operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal. Os dois já haviam sido convocados antes, mas seus depoimentos acabaram adiados por conta da audiência de instrução referente à Operação Monte Carlo, que foi realizada em Goiânia no final de julho. Ainda não ficou acertado se a sessão de depoimentos dos procuradores será fechada ou não.

Na quarta-feira (22/08), a comissão deverá ouvir Jayme Eduardo Rincón, ex-tesoureiro da campanha de Marconi Perillo ao governo de Goiás em 2010, atualmente presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop).

Estão mantidos para esta quarta-feira (15/08) os depoimentos da sócia da Alberto & Pantoja Construções, Rosely Pantoja da Silva; do ex-presidente do Departamento de Trânsito de Goiás (Detran), Edivaldo Cardoso de Paula; do ex-segurança de Demóstenes Torres, Hillner Braga Ananias.

Giselle Chassot

Leia também