reflexo do negacionismo

Crescem alertas de 3ª onda da Covid. É preciso parar Bolsonaro

Com vacinação lenta, chegada do inverno tornará pandemia ainda mais grave no Brasil, a não ser que o país dê um basta à sabotagem de Jair Bolsonaro e adote as medidas necessárias para salvar vidas
:: Agência PT de Notícias18 de maio de 2021 16:37

Crescem alertas de 3ª onda da Covid. É preciso parar Bolsonaro

:: Agência PT de Notícias18 de maio de 2021

O Brasil chegou a uma nova encruzilhada em sua luta contra a Covid-19. Ou dá um basta definitivo à sabotagem de Jair Bolsonaro ou viverá um cenário ainda mais destruidor que o observado até o momento. Nos últimos dias, crescem os alertas de que o país pode ser varrido por uma terceira onda da doença, o que poderá fazer com que, até o fim de agosto, o total de mortos pela pandemia chegue a pelo menos 750 mil, segundo projeção da Universidade de Washington, que trabalha com dados que consideram a subnotificação de casos (para a instituição de pesquisa, o país já ultrapassou a marca de 600 mil óbitos).

O alto risco de o Brasil viver a segunda onda devido à chegada do inverno vem sendo alertado por cientistas há algumas semanas. No começo do mês, o neurocientista Miguel Nicolelis, da Universidade de Duke, alertou em seu podcast semanal para o jornal El País: “Basta lembrar que foi no ano passado, no começo do inverno, que a explosão da pandemia se deu no Brasil”.

Outros cientistas têm feito o mesmo alerta. Em seu mais recente Boletim Epidemiológico, de 13 de maio, a Fiocruz ressalta que, apesar de o país apresentar agora uma ligeira redução nas taxas de mortalidade, a incidência de casos continua em um patamar alto, “o maior desde a introdução do vírus SarsCoV-2 no Brasil”.

Em entrevista ao jornal O Globo nesta terça-feira (18), o estatístico da Fiocruz Leonardo Bastos resume o conjunto de fatores que deixa o Brasil tão vulnerável a uma terceira onda: alto patamar de infecções e hospitalizações, número alto de cidadãos que não contraíram a doença (e, portanto, não produziram anticorpos contra a infecção), ritmo lento da vacina, redução no uso de máscaras e abertura acelerada nos estados que haviam intensificado medidas de distanciamento.

O ritmo da vacinação é preocupante. Também ao Globo, a professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Ethel Maciel ressalta que a terceira onda pode ser freada com a aplicação de mais vacinas em menos tempo. “Temos que vacinar 1,5 milhão de pessoas ao dia, idealmente 2 milhões. E ter cautela na flexibilização das medidas de isolamento”, diz.

O problema é que, depois de sabotar a aquisição de vacinas de todas as formas, seja recusando ofertas de venda, seja atrapalhando a entrada do país no consórcio da Organização Mundial da Saúde, o governo Bolsonaro não tem conseguido vacinar a população no ritmo minimamente necessário.

Segundo painel da Universidade de Oxford, o Brasil conseguiu aplicar o máximo 1,1 milhão de doses num só dia, em 13 de abril. Depois, a quantidade caiu gradualmente, chegando a 429 mil doses em 12 de maio. Resultado: nem 10% da população está totalmente protegido até agora com as duas doses.

Confira a íntegra da matéria

Leia também