Depoimento do prefeito não convenceu a oposição. E nem o relator

:: Da redação10 de julho de 2012 19:18

Depoimento do prefeito não convenceu a oposição. E nem o relator

:: Da redação10 de julho de 2012

Foram quase cinco horas de depoimento, no qual o prefeito de Palmas (TO), Raul Filho (PT), tentou explicar a razão de aparecer em um vídeo gravado pelo contraventor Carlos Cachoeira oferecendo “oportunidades”, em troca de apoio para sua campanha eleitoral. A muitas perguntasl Raul Filho disse que se esquecera ou não sabia. Ao final do depoimento, dominado principalmente, pelas investidas de parlamentares da oposição, o relator da CPMI, deputado Odair Cunha (PT-MG), também se disse não estar convencido – e que as dúvidas não esclarecidas exigem mais investigação.

O prefeito foi crivado principalmente pelo deputado Silvio Costa (PTB-PE), que tem sido personagem destacado nas audiências da comissão, quando tentou explicar a aquisição de um aparelho de ginástica.  

Já no enunciado de sua inquirição, Costa atacou. “O senhor está mentindo”, afirmou, desconsiderando a explicação do prefeito sobre a compra do aparelho. Nenhum parlamentar interferiu a favor do prefeito, quando o deputado trouxe à tona uma gravação feita pela Polícia Federal, durante a Operação João de Barro, que nada tem a ver com as operações Vegas e Monte Carlo que motivaram e ainda guia os trabalhos da Comissão.

Um aparelho de ginástica vira “personagem” – De acordo com a operação, os suspeitos estariam envolvidos num esquema de desvio de verbas  para construção de casas populares por meio de fraudes em licitações de obras. Sílvio Costa questionou o prefeito sobre sua relação com o lobista Horácio César Fonseca Sobrinho. A João de Barro destinou-se a combater os esquemas fraudulentos nas licitações de diversas prefeituras, entre as quais Palma. Então licenciado da Prefeitura, Raul Filho teve sua casa revistada pela polícia – mas nada foi provado, e sua prisão, então cogitada, terminou não acontecendo. Contra ele, pesava a acusação de que recebera um aparelho de ginástica no valor de  R$ 9 mil – como mimo pela assinatura de um contrato de construção de casas populares. “O senhor está mentindo”, repetiu Silvio Costa. “Seu aparelho foi pago com o dinheiro do povo de Tocantins”. “Eu paguei com dinheiro honrado” – retrucou Raul Filho.  “Eu recebi um presente de R$ 9 mil por um contrato de R$ 50 milhões?”, perguntou, incrédulo, enfatizando a diferença de valores. “O que está em questão é o valor”, investiu novamente Silvio Costa.

Esquema da Delta em Tocantins assemelha-se ao de Goiás, diz relator – Assim como em diversas situações do depoimento, o prefeito também teve de dizer que havia se esquecido ou que não sabia, como quando o deputado Silvio Costa quis saber qual era o nome do laboratório que vende medicamentos para a Prefeitura. “Honestamente, eu não sei”, limitou-se a responder o prefeito.

Raul Filho tentou ainda comprovar que, durante seu primeiro mandato, tenha havido irregularidade na assinatura de um contrato de coleta de lixo com a Delta, no valor de R$ 71 milhões. Posteriormente, esse contrato foi reprovado pelo Tribunal de Contas do Estado.

Não foi apenas os parlamentares da oposição que saíram da reunião sem estarem plenamente convencidos da inocência de Raul Filho. O relator da CPMI, deputado Odair Cunha (PT-MG), também se inclui entre os que acreditam que há ainda muito a ser explicado. Para o relator, o prefeito se contradisse. Fora isso, a descrição dos negócios da Delta em Palmas repete o mesmo padrão do modus operandi da empresa em Goiás. “Há indícios de que houve financiamento de campanha em troca de benefícios em contratos na prefeitura”, disse Odair Cunha.

Giselle Chassot

Leia também