Saúde pública

Devastação do Mais Médicos foi “crime contra a humanidade”

A cota de responsabilidade de Jair Bolsonaro pelas consequências da pandemia, no Brasil, vai muito além do atraso imposto por suas suposições idiotas, afirma o articulista Janio de Freitas
:: Da redação22 de março de 2020 11:54

Devastação do Mais Médicos foi “crime contra a humanidade”

:: Da redação22 de março de 2020

“Há condutas de governantes que não figuram nos Códigos Penais, mas têm tudo de crimes. Crimes contra a humanidade”. Com estas palavras, o articulista Janio de Freitas, conclui seu artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, neste domingo, 22.

Em seu artigo, Janio lembra que “Bolsonaro inaugurou seu desgoverno com a devastação do Programa Mais Médicos”, expulsos do Brasil sob intensa campanha caluniosa. Neste momento, os médicos cubanos prestam seus serviços humanitárias em diversos países atingidos pela epidemia do coronavírus, como Itália.

“A cota de responsabilidade de Jair Bolsonaro pelas consequências da pandemia, no Brasil, vai muito além do atraso imposto por suas suposições idiotas —“muita fantasia sobre coronavírus”, “muita histeria”— às medidas administrativas urgentes”. Para o articulista, “é uma responsabilidade construída, a desse maior irresponsável entre os irresponsáveis”.

“Em meio a pandemia do coronavírus, médicos cubanos são recebidos com aplausos na Itália. Durante os governos do PT, Brasil chegou a ter 11.000 destes profissionais atendendo a população mais carente. Cubanos deixaram o país após ações desastrosas do governo Bolsonaro”, lembrou o senador Humberto Costa (PT-PE).

Também em suas redes sociais, a presidenta da PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), destacou que “o Mais Médicos, destruído por Bolsonaro, faria toda diferença agora, em especial a participação dos médicos cubanos, escorraçados do Brasil, que começaram a desembarcar na Itália para ajudá-los”.

Instituído durante o governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, o Programa Mais Médicos (PMM) fez parte de um amplo esforço do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, para a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

O programa levou médicos para regiões onde havia escassez ou ausência desses profissionais, além de promover investimentos para construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), criação de novas vagas de graduação, e residência médica para qualificar a formação dos profissionais.

Papel da mídia
A mídia que apoiou a campanha difamatória contra o programa, seus autores, o governo cubano e os médicos também é criticada por Jânio.

“A conduta dos chamados meios de comunicação nesse assunto foi deplorável, desde o início, com o tema posto na campanha eleitoral”, diz ele.

De acordo com ele, “orientaram-se pela nacionalidade e não pelas qualidades que o programa tivesse”.


A ÍNTEGRA DO ARTIGO

Bolsonaro inaugurou seu desgoverno com devastação do Mais Médicos

A cota de responsabilidade do presidente pelas consequências da pandemia vai muito além de suas suposições idiotas

Janio de Freitas | Folha

A cota de responsabilidade de Jair Bolsonaro pelas consequências da pandemia, no Brasil, vai muito além do atraso imposto por suas suposições idiotas —“muita fantasia sobre coronavírus”, “muita histeria”— às medidas administrativas urgentes. Ainda hoje muito distantes das necessárias. É uma responsabilidade construída, a desse maior irresponsável entre os irresponsáveis.

Bolsonaro inaugurou seu desgoverno com a devastação do Programa Mais Médicos. Por fanatismo ideológico e com uso de falsidades, sustou um sistema de medicina comunitária que, desenvolvendo-se, agora dotaria o desprovido interiorzão e a pobreza urbana de uma rede de combate aos horrores ali possíveis, e mesmo previstos com autoridade.

A conduta dos chamados meios de comunicação nesse assunto foi deplorável, desde o início, com o tema posto na campanha eleitoral. Orientaram-se pela nacionalidade e não pelas qualidades que o programa tivesse. Foram gerais o endosso e a propagação das acusações de que o governo cubano apropriava-se de parte da remuneração dos seus médicos. Tanto que as remunerações não eram feitas aos cubanos no Brasil, mas via Cuba. A própria habilitação dos médicos, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde como das melhores, foi questionada, pretendendo-se novos exames aqui.

A verdade é que o convênio Brasil-Cuba foi intermediado e acompanhado pela OPAS, a Organização Pan-americana de Saúde. Mesmo com os médicos cubanos já em atividade, a OPAS continuou em seu papel de instância superior nas operações.

As verbas de remuneração foram mandadas a Cuba, via OPAS, para assegurar a destinação parcial ao sustento das famílias dos médicos, como se eles estivessem em seu país; e, quando era o caso, para as reposições do financiamento à sua formação, como em tantos países.

Nada disso era segredo aqui. E, em dúvida, bastaria consultar o convênio ou a OPAS. Mesmo a exclusão dos cubanos, e apesar do êxito do programa por ninguém negado, teve tratamento passivo ou de apoio. Até grotescos no passionalismo ideológico, como o de um comentarista que martela seus serviços todos os dias em jornal, em rádio e na TV: “É muito fácil substituir os médicos cubanos”. Nesse dia comecei a ler, curioso, para logo descobrir que a fórmula eufórica da facilidade não era mais do que a convocação de brasileiros.

Ora, o Mais Médicos e a inclusão de estrangeiros vieram solucionar a recusa dos brasileiros a exercer a medicina onde menos era, e voltou a ser, alcançável. Neste março, dia 11, o ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde (?!), lançou mais um de sucessivos editais para preencher o Mais Médicos. Nos anteriores, sempre a repetição: muitas inscrições, redução grande na hora das apresentações e abandono do serviço médico em pouquíssimo tempo, com volta à cidade de origem.

A etapa bem-sucedida do Mais Médicos deixou histórias extraordinárias, que se perdem nas memórias dos personagens. Não daquelas dezenas de milhares, se não centenas de milhares, que nunca haviam tido um atendimento médico. E talvez nunca mais tenham. Milhares, sem sequer tempo para sabê-lo: a mortalidade infantil cresce pavorosamente em lugares roubados do médico que a reduzira ou eliminara.

Há condutas de governantes que não figuram nos Códigos Penais, mas têm tudo de crimes. Crimes contra a humanidade.

 

Leia também