Dilma inaugura eixão das águas no Ceará, um dos maiores do mundo

:: Da redação19 de março de 2014 16:55

Dilma inaugura eixão das águas no Ceará, um dos maiores do mundo

:: Da redação19 de março de 2014
Dilma inaugura canal de 256 km, garantindo
água para mais de 4 milhões de pessoas 

No dia do padroeiro do estado, São José, a presidenta faz doação de 172 máquinas a 141 municípios e inaugura obra que garantirá segurança hídrica por 30 anos
 

Hoje foi um dia especial para o Ceará, não apenas pela comemoração do Dia de São José, padroeiro do estado, mas pela presença da presidenta Dilma Rousseff na solenidade que marcou a doação para 141 municípios de 172 máquinas (motoniveladoras, pás carregadoras e caminhões caçamba e pipa) que garantirão melhorias em diversas áreas das infraestruturas municipais, da mobilidade urbana à convivência com a seca, e a conclusão do trecho V do eixão das águas. “Estou orgulhosa com esse eixão das águas, porque estamos fazendo uma obra estruturante para a segurança hídrica do Ceará para os próximos trinta anos”, afirmou.

Dilma entregou em mãos para cada um dos prefeitos o documento simbólico relativos às máquinas, cujos investimentos do governo foram de R$ 49,9 milhões. Com a entrega de hoje, o Ceará já contabiliza 824 máquinas recebidas, sendo 181 retroescavadeiras, 181 motoniveladoras, 181 caminhões caçamba, 179 caminhões pipa e 102 pás carregadeiras, beneficiando 194,3 mil agricultores familiares e uma população de 1,3 milhão de pessoas. “Faltam entregar 77 máquinas para o Ceará, mas esse atraso é dos fornecedores, que estão com a produção sobrecarregada. Importante também é dizer que as máquinas são produzidas no Brasil. Esse programa beneficia as pessoas e gera empregos no País”, destacou.

Em relação à inauguração do trecho V do eixão das águas, todo o trajeto de 256 quilômetros que separa a capital de Fortaleza ao Açude de Castanhão passa a ser interligado. Com isso, mais de 4,2 milhões de habitantes da região metropolitana serão atendidas com água potável. O governador Cid Gomes lembrou que enquanto o Ceará em parceria com o Governo Federal inaugura uma obra estrutural que dará segurança hídrica para os próximos 30 anos, o estado de São Paulo se vê diante da séria possibilidade impor um racionamento para a sociedade. “Não temos o problema de São Paulo porque houve prevenção, planejamento”, disse ele.

A presidenta Dilma Rousseff informou que a oferta de água para a população e para as indústrias na região do Porto de Pecém vai dar como resultado não apenas a melhoria das condições de vida da população, mas resultará em empregos e crescimento econômico. Dilma observou que a oferta de água vai mudar a vida no campo e a entrega de máquinas permitirá que as prefeituras façam novas estradas vicinais para escoar a produção.

Dilma anunciou que a mudança estrutural que significa a oferta de águas implicará na criação de um Plano Safra para a região do semi-árido e que será divulgado em breve. O eixão das águas ficou parado por 16 anos, tendo começado na gestão do governador tucano Tasso Jereissati. A partir de uma parceria entre o estado e o Governo Federal, os demais trechos foram construídos e de maneira rápida, com investimentos de R$ 1,5 bilhão.

“Estamos em lugares onde falam que a seca é a pior dos últimos 50 anos. Em outros, a pior dos últimos cem anos. Mas acredito que todos os mecanismos de proteção, como o bolsa família, a bolsa estiagem e o seguro safra são responsáveis por não ter tido nenhum avanço sobre supermercados, lojas ou feiras como ocorriam antes”, disse Dilma, acrescentando que “ser capaz de conviver com a seca é saber que ela vai ocorrer e que a pessoa vai enfrentá-la, com a arma da segurança hídrica do eixão das águas”.

A presidenta Dilma Rousseff fez elogios à parceria entre o Governo Federal e o governo estadual e destacou a presença dos três senadores pelo Ceará: “o Eunício Oliveira, grande parceiro do governo; José Pimentel e Inácio Arruda. Os três senadores integram a base do governo e queria destacar o papel que cada um cumpre, Eunício como líder do PMDB no Senado, Pimentel como líder do governo do Congresso e Arruda como líder do PCdoB no Senado”.

Marcello Antunes

Leia também