Dia Mundial da Saúde

Em plena crise, SUS é instrumento de defesa para os brasileiros

No Dia Mundial da Saúde, petistas relembram a necessidade de um sistema de saúde inclusivo e universal no País
:: Agência PT de Notícias7 de abril de 2020 15:01

Em plena crise, SUS é instrumento de defesa para os brasileiros

:: Agência PT de Notícias7 de abril de 2020

A crise sanitária desencadeada pela disseminação do coronavírus no mundo exerce uma enorme pressão nos sistemas de saúde do mundo. No Dia Mundial da Saúde, celebrado nesta terça-feira (7), parlamentares petistas reafirmam a importância do funcionamento de um sistema de saúde inclusivo e universal no Brasil. Graças aos investimentos robustos feitos pelos governos dos presidentes Lula e Dilma Rousseff no setor de saúde, o Brasil tem condições de passar pela fase aguda da expansão da doença. 

Ações e programas como Mais Médicos, Saúde da Família, Farmácia Popular, SAMU, além das Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), revolucionaram o atendimento à população. O Sistema Único de Saúde (SUS), criado em 1988, foi fortalecido nos governos petistas. Os repasses aos estados, municípios e o Distrito Federal, aumentaram mais de quatro vezes, passando de de R$15,8 bilhões em 2003 para R$69 bilhões em 2014.

“Nesse momento que nós estamos vivendo é que estamos vendo a importância do Sistema Único de Saúde”, ressalta o senador Humberto Costa (PT-PE), ex-ministro da Saúde no governo Lula. “São os hospitais públicos que estão garantindo o atendimento, a atenção à saúde da nossa população”, observa. Nos governos do PT, as políticas voltadas para o setor foram coordenadas com a implementação de programas sociais premiados, como o Bolsa Família e o Cadastro Único (CadÚnico). 

“Fomos criticados quando  construímos o CadÚnico, o Bolsa Família, o Mais Médicos, o Plano Nacional de Saúde, o SAMU, as UPAs e a Farmácia Popular, mas essas ações estão fazendo toda a diferença hoje no enfrentamento ao coronavírus”, aponta o senador Jean Paul Prates (PT-RN). As bancadas petistas na Câmara e no Senado defendem o fim da Emenda do Teto de Gastos (EC95/2016) para a saúde e novos aportes financeiros para o enfrentamento da doença. 

“Temos que encontrar uma maneira, através dos governadores e lideranças dos demais poderes, de criar uma agenda sanitária, econômica e social para reduzir os danos da pandemia”, afirma o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE). “Todo o investimento que for feito para cuidar dos profissionais de saúde, para dar infraestrutura e as condições para que o atendimento seja feito é o mínimo que a gente pode fazer por estes profissionais que são o nosso exército no combate ao coronavírus”, reforça. 

Confira a íntegra da matéria

Leia também