Emiliano José: “Ideário tucano tem parentesco com a Casa Grande”

:: Da redação10 de novembro de 2011 11:51

Emiliano José: “Ideário tucano tem parentesco com a Casa Grande”

:: Da redação10 de novembro de 2011

O deputado federal Emiliano José (PT-BA) ironizou o PSDB por estar defendendo a volta de ações que implementou quando era governo, entre 1995 e 2002, com Fernando Henrique Cardoso.

“O PSDB padece de amnésia, pois nos oito anos de FHC o Brasil quebrou três vezes,, teve de recorrer ao FMI de pires na mão, inteiramente submetido, quebrado pela irresponsabilidade tucana”, observou o parlamentar petista. O elitismo do PSDB também foi criticado: “O pensamento tucano tem parentesco com a Casa Grande, com a banca e com os privilégios”, disse.

As observações de Emiliano José foram feitas ao comentar seminário realizado pelo PSDB na última segunda-feira (07/11), no Rio, para abordar o tema “Nova Agenda – Desafios e oportunidades para o Brasil”.  No encontro, como lembrou Emiliano, os tucanos voltaram a defender as bandeiras do passado, como a “retomada das privatizações, diminuição do Estado, restrição às atividades do BNDES de modo a garantir mais presença dos bancos privados, bem como a reforma da Previdência com revisão das pensões por morte e aumento da idade mínima para a aposentadoria”.

Ele lembrou também que nos “fatídicos” oito anos de FHC , a taxa de desemprego foi recorde, totalmente diferente dos dias de hoje, em que o Brasil tem conseguido manter o crescimento do emprego em ritmo satisfatório, independentemente de uma crise que atinge os países da Europa e os EUA.  “Naqueles anos, o patrimônio público foi dilapidado, entregue aos ávidos interesses privados, sem qualquer critério, no processo conhecido também como privataria”

FALÊNCIA –  Segundo o parlamentar, a amnésia dos tucano os impede de ver que sua plataforma é que levou o Brasil à falência na era FHC. “Querem ensinar-nos a governar, como se pudessem. Como se desconhecessem que entramos no terceiro mandato de um projeto que está mudando a vida do povo brasileiro para melhor. Que está sabendo resistir à crise econômica mundial, com a diretriz de manter a distribuição de rendas e uma política consistente de investimentos públicos para melhorar a infraestrutura e continuar crescendo”, comentou o deputado. “ Como podem falar hoje de juros altos, se praticaram taxas escorchantes, muito maiores do que as atuais?”

Emiliano também ironizou a falta de imaginação tucana, ao escolher um novo slogan em inglês (Yes, we care – Sim, nós nos preocupamos), copiando o da campanha de Barack Obama (Yes, we can- Sim, nós podemos). “Como querem se apresentar como um partido que se preocupa com as pessoas. Quais pessoas? Durante o governo deles, só se preocuparam com o andar de cima”.disse.

ESCÂNDALOS – Emiliano lembrou que o governo FHC foi pontuado por uma sucessão de escândalos, como a compra de votos para a emenda da reeleição, o Sivam/Sipam, a dupla Cacciola e Francisco Lopes que lesou o Banco Central etc. “Os tucanos, que se transformaram em arautos da moralidade, se esquecem que foram protagonistas de escândalos seguidos”, disse. 

“Eles, os tucanos, quando governaram, seguiram à risca a cartilha do Consenso de Washington, as determinações do FMI. Havia, na cabeça deles, e apregoada, a tese do realismo periférico, tese compartilhada com Carlos Menem, que levou a Argentina ao buraco”, destacou Emiliano.

O parlamentar lembrou também que, no governo FHC, houve concentração de renda; o favorecimento dos grandes grupos econômicos; o desemprego; a destruição do parque industrial nacional, além de um apagão que deixou o país na escuridão “como registros difíceis de serem apagados da memória do brasileiro”.

“O povo brasileiro hoje se orgulha de seu país, porque tem contado com lideranças à altura, como Lula e Dilma. E com um partido – o PT – que soube construir uma aliança ampla para promover as reformas necessárias e colocar no país na rota de superação da miséria. País rico é país sem miséria”, concluiu Emiliano José.

(Equipe Informes – Liderança do PT na Câmara)

Leia também