Meio Ambiente

Lula e Dilma reduziram desmatamento em 82%; Bolsonaro devasta Amazônia

Em 2014, o Brasil era referência mundial na proteção das florestas. Em julho de 2019, o desmatamento avançou 278%
:: Agência PT de Notícias21 de agosto de 2019 13:01

Lula e Dilma reduziram desmatamento em 82%; Bolsonaro devasta Amazônia

:: Agência PT de Notícias21 de agosto de 2019

Em 2014, o Brasil era reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um exemplo que o mundo deveria seguir no combate ao desmatamento. A entidade atribuía o resultado ao sucesso das políticas de preservação das florestas na primeira década dos anos 2000, com o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

“As mudanças na Amazônia brasileira na década passada e sua contribuição para retardar o aquecimento global não têm precedentes”, disse relatório da ONU publicado em julho daquele ano.

Hoje, o país é rechaçado mundialmente pelo avanço do desmatamento incentivado por Jair Bolsonaro (PSL) que se autointitula “capitão da motosserra”. A gravidade da situação é tanta que Alemanha e Noruega suspenderam os repasses para o Fundo da Amazônia – cooperação internacional criada por Lula, em 2008, com o objetivo de proteger a maior floresta tropical do mundo.

Ao falar sobre o fim do financiamento nesta segunda-feira (19), o Jornal Nacional mostrou mais uma vez que só pensa em seus interesses corporativos. Na bancada, o âncora fez a errônea comparação entre Lula a Bolsonaro.

“Quando a Alemanha e a Noruega anunciaram a suspensão do envio de recursos para a proteção da floresta amazônica, o presidente Jair Bolsonaro repetiu uma postura que o então presidente Lula adotava quando estrangeiros criticavam a política ambiental do Brasil. Os dois presidentes afirmaram que a Europa destruiu todas as suas florestas e que, por isso, não tem moral para dar conselhos sobre a Amazônia”, disse Bonner.

Existe um abismo que separa os dois. Lula defende a soberania nacional e sempre tratou a defesa do meio ambiente como prioridade. Ele reduziu o desmatamento anual na Amazônia de 27.772 km², em 2004, para 7.000 km² em 2010, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE). Esse legado foi continuado por sua sucessora  Dilma Rousseff que, em 2014, reduziu o índice para 5.891 km². Nesse período de dez anos, a queda no desmatamento da floresta foi de 82%.

Bolsonaro, por sua vez, adota uma postura destrutiva contra o patrimônio natural brasileiro. Ele ignora os fatos e incentiva a destruição da floresta. Em julho, o desmatamento na Amazônia registrou um aumento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado, também de acordo com o INPE. Diante dos fatos, Bolsonaro desrespeitou o Instituto – reconhecido mundialmente pela qualidade das pesquisas – e demitiu o então diretor Ricardo Galvão.

O colapso ambiental tem suscitado críticas de lideranças no mundo inteiro, prejudicando o Brasil em diversos aspectos. Um exemplo disso é a suspensão de repasses da Alemanha e da Noruega para o Fundo da Amazônia. Os países entendem que o atual governo descumpre o acordo e, por isso, suspenderam um total de R$ 283 bilhões em recursos da cooperação internacional. Do montante, R$150 mi vinha da Alemanha e R$133 mi da Noruega.

Sobre o fim dos repasses, Bolsonaro disse que a chanceler alemã, Angela Merkel, devia pegar “essa grana” e reflorestar o seu país. Depois, compartilhou um suposto vídeo de “matança das baleias patrocinada pela Noruega”, mas as imagens, na verdade, foram gravadas na Dinamarca.

O cenário, no entanto, não poderia ser diferente. Bolsonaro escolheu como Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que já foi condenado por crime ambiental e sequer havia pisado na Amazônia antes de assumir o cargo. A dupla tem promovido um desmonte completo de todas os instrumentos administrativos que combatem o desmatamento. Um exemplo disso é a extinção do Comitê Orientador do Fundo Amazônia (Cofa) – pivô do fim de repasses para o fundo.

Da Redação Agência PT de Notícias

Leia também