Brasil de Fato

Funai gastou R$ 8 com cada indígena no combate à pandemia

Nos últimos 114 dias, órgão investiu apenas R$ 6,6 mi. Para indígena, baixo valor indica “política genocida” do governo
:: Brasil de Fato23 de junho de 2020 13:26

Funai gastou R$ 8 com cada indígena no combate à pandemia

:: Brasil de Fato23 de junho de 2020

Nos últimos 114 dias, desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, a Fundação Nacional do Índio (Funai) gastou apenas R$ 6,6 milhões em medidas para proteger a população indígena da doença. O valor corresponde a 1,18% do orçamento anual da entidade, que é de R$ 507 milhões. Os dados foram obtidos pelo Brasil de Fato via Lei de Acesso à Informação (LAI).

O investimento per capita, se o valor for dividido pelos 800 mil indígenas que vivem no país, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de R$ 8,35. Isso significa que no período da pandemia, cada indígena recebeu R$ 0,07 por dia da Funai. O valor foi criticado por algumas das principais entidades que defendem os direitos dos povos originários.

Luiz Eloy Terena, representante da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), afirmou que a entidade recebeu a notícia com pesar, mas “não com surpresa”. “É a constatação dessa política genocida, especialmente em relação aos povos indígenas, que está sendo implementada no âmbito do governo Bolsonaro, que é um governo declaradamente de anti-indígena.”

A Apib mantém uma plataforma online que produz, diariamente, um boletim epidemiológico que traz dados referentes à proliferação da covid-19 nas aldeias. De acordo com os números da entidade, da última quinta-feira (18), são 6.093 indígenas contaminados com coronavírus e 301 óbitos.

Para o secretário executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Antônio Eduardo Cerqueira, o governo é responsável pelas mortes entre os povos originários e poderia ter evitado esses óbitos com investimentos que freassem o acesso de não-indígenas nas aldeias.

“Uma das coisas que achamos fundamental é a proteção dos territórios, era justamente ajudar os indígenas que estavam estabelecendo as barreiras sanitárias e ao mesmo estabelecer maior fiscalização, para impedir invasão aos territórios. Isso não foi feito”, argumenta Cerqueira.

Ana Lúcia Pontes, coordenadora do Grupo Técnico de Saúde Indígena (GTSI) da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), lamenta a fragilidade da Funai durante o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

“As instituições indigenistas vinham, desde o ano passado, particularmente a Funai, num processo de desmonte e enfraquecimento, com cortes orçamentários, diminuição de suas estruturas, que iriam comprometer a atuação regular do órgão”, explica Pontes.

Confira a íntegra da matéria

Leia também