Gleisi desmente Aloysio Nunes e tucano enlouquece

:: Carlos Mota17 de novembro de 2016 20:52

Gleisi desmente Aloysio Nunes e tucano enlouquece

:: Carlos Mota17 de novembro de 2016

Foto: Alessandro DantasCarlos Mota

17 de novembro de 2016 | 18h

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) acredita que só há duas formas de se aprovar a PEC 55, que reduz os gastos públicos pelos próximos 20 anos. A primeira é sem dar condições ao povo brasileiro de entender a matéria. A segunda é mentindo, como fez o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP), nesta quinta-feira (16). 

“E vou desmentir o líder do governo com dados”, disse Gleisi, durante o debate sobre a PEC 55 no plenário do Senado. Foi o estopim para o tucano perder a compostura e começar os ataques à petista. 

Gleisi, por sua vez, continuou o discurso e rebateu as falácias de Aloysio. “Mentira número um: não foi o PT que aumentou a carga tributária. Mentira número dois: não foi o PT que concentrou a receita na União. Isso deve-se ao PSDB, aos mesmos [parlamentares tucanos] que agora querem aprovar a PEC 55”. 

A senadora lembrou que a carga tributária no País era de 26,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 1996, durante o governo de Fernando Henrique Cardozo. Em 2002, último ano do tucano à frente da presidência da República, esse índice saltou para 32,2% do PIB. Já durante os governos petistas, o crescimento da carga fiscal foi ínfimo, mantendo-se praticamente estável em 12 anos, registrando 32,7% em 2015. 

“Quem aumentou a carga tributária? Foi o PT ou foi o PSDB? Isso é importante ser respondido. Esses dados não são meus, são dados da Receita Federal”, destacou Gleisi. 

Sobre a afirmação de Aloysio de que o PT promoveu uma “gastança desenfreada” dos recursos da União, a parlamentar relembrou o senador tucano de que o Brasil teve superávit nas contas do governo federal nas gestões Lula e Dilma entre os anos de 2003 e 2013. 

“Nós começamos a ter déficit em 2014 e em 2015. Em 2014, um déficit pequeno; em 2015, um déficit um pouco maior. Aí, eu vou explicar, por conta da crise econômica, da recessão e da queda da receita. Mas subir nesta tribuna e dizer que o Partido dos Trabalhadores promoveu uma gastança sem limites é mentira. É mentira!”, exclamou a senadora. 

“Diga-me onde nós fizemos déficit nesses dez anos de governo do PT. Fizemos superávit primário nesses dez anos, e, por isso, conseguimos pagar o juro e diminuir a dívida”, emendou. 

Gleisi ainda desmentiu outra mentira: a de que a dívida pública brasileira “explodiu” com o PT. Segundo ela, a dívida pública cresceu 79% no governo Lula e 31% na gestão Dilma. “Cresceu menos que a inflação no período, que foi de 41%. Então, nós só não tivemos um crescimento real da dívida, como nós tivemos um recuo em relação ao PIB. Onde é que está a explosão da dívida? Onde é que está a dívida descontrolada?”, questionou. Talvez o tucano tenha se confundido com a dívida deixada pelo PSDB ao País, que cresceu 752% no período FHC, segundo o Banco Central. 

Nervoso, Aloysio fez constantes interrupções e ataques durante o discurso de Gleisi. A senadora Regina Sousa (PT-PI), indignada com falta de compostura do tucano, o repreendeu. 

“Com todo o respeito ao senador Aloysio, que quando o senhor se dirige a uma mulher, dizendo ‘Se acalme, você está agitada!’, isso é misoginia, o que é terrível, num momento em que as mulheres lutam contra isso. Duvido que o dissesse para um homem”, denunciou Regina, também sendo interrompida pelo tucano. 

A PEC 55 está sendo discutida no Senado em sessões temáticas. De acordo com o calendário elaborado pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), a proposta deve ser votada em primeiro turno no dia 29 de novembro.

 

Assista Gleisi desmentindo o tucano:

 

Leia mais: 

A PEC 55 e o mito do descontrole da dívida pública

 

Leia também