Gleisi mostra que Pátria Educadora não é apenas discurso – mas uma revolução

:: Cyntia Campos6 de outubro de 2015 21:12

Gleisi mostra que Pátria Educadora não é apenas discurso – mas uma revolução

:: Cyntia Campos6 de outubro de 2015

Gleisi: o PT e os governos petistas têm compromisso com a educação e não ficam só no discursoA senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) subiu novamente à tribuna do Senado nesta terça-feira (6) para tentar tornar públicas informações relevantes sobre o Brasil que, por serem positivas, não encontram espaço na mídia.

A fala da senadora do Paraná e ex-ministra da Casa Civil do governo Dilma compreendeu boa parte do que foi realizado em Educação pelos doze anos de governo do PT. O orçamento destinado à Educação em todos os níveis, por exemplo, foi multiplicado por seis – além da criação específica de programas voltados para o aprimoramento do conhecimento dos alunos. Com esse exemplo, a senadora provocou: “Se isso não é Pátria Educadora, o que mais pode ser?”, questionou.  

Gleisi tem dedicado a uma série de pronunciamentos ao “Brasil que dá certo”, tentando dar divulgação às boas notícias que são solenemente ignoradas pela grande imprensa e pela oposição. Ela traçou um panorama das conquistas alcançadas na Educação e apresentou números que, isolados, já representariam mudanças qualitativas na realidade educacional brasileira. Juntos, esses números mostram uma revolução. 

O PT e os governos petistas, afirmou Gleisi, têm compromisso com a educação e não ficam só no discurso. O lema “Pátria Educadora”, adotado pela presidenta Dilma para seu segundo mandato, expressa não só compromisso e intenção, mas também todas as vitórias já alcançadas desde 2003, quando teve início o primeiro mandato do presidente Luís Inácio Lula da Silva. “Os números comprovam: o País avançou, nos últimos doze anos, mais do que nos 500 anos de História na área educacional”.

Consolidados, os números e conquistas da Educação, desde 2003, são os seguintes:

Orçamento – O orçamento do Ministério da Educação cresceu seis vezes entre 2002 e 2014, ultrapassando os R$115 bilhões. “Hoje o Brasil investe muito mais do que determina a Constituição Federal”, apontou a senadora.

Creches – Embora as creches não estejam entre as obrigações do governo federal, o governo Dilma tem apoiado as prefeituras, oferecendo os recursos para assegurar que as crianças de possam ter acesso a esse equipamento mesmo antes de completar um ano de idade. São 8.690 creches aprovadas até agora e 2.878 já foram inauguradas e 2.388 estão em construção. “Nós sabemos que uma criança que vai para a creche e para a pré-escola terá muito mais condições de aprendizagem e um melhor desenvolvimento, ressaltou Gleisi.

Transporte escolar – Desde 2008, foram adquiridos e entregues às prefeituras 30.502 ônibus para o transporte escolar. Entre esses, 28 mil foram destinados às áreas rurais, onde é mais difícil a locomoção das crianças até a escola, e 2.494 são ônibus com acessibilidade, para crianças com deficiência. Esse é o resultado, até agora, do programa Caminho da Escola, destinado a renovar  e ampliar a frota de transporte escolar em todo o país.

O transporte escolar também está contemplado nas áreas ribeirinhas, para as quais o governo federal entregou 918 barcos desde 2010. “O pessoal que mora no Amazonas e outras áreas de difícil acesso por terra também precisa ir para a escola”, pontuou a senadora.

Também destinadas ao transporte escolar, o governo federal comprou e entregou aos município s 97.664 bicicletas que serão usadas por alunos moradores, principalmente, das áreas rurais.

Escola acessível – Desde 2011, 40.284 escolas receberam R$423 milhões para fazer obras em acessibilidade. São escolas regulares que passam a ter condições de atender alunos com algum tipo de deficiência, “porque as pessoas que não vão para a escola especial precisam ter acessibilidade”, explicou a senadora.

Escola integral – 155 mil escolas (52 mil delas na zona rural) recebem recursos federais para oferecerem o contraturno, garantindo que as crianças fiquem na escola de manhã e à tarde, participando de uma série de atividades complementares ao ensino das disciplinas.  O programa Ensino Integral beneficia 8 milhões de crianças em todo o País e já recebeu R$3,9 bilhões para financiar o contraturno.

Merenda escolar – 42 milhões de alunos em 156 mil escolas de todo o País são beneficiados pelo programa de merenda escolar.

Ensino profissionalizante – Desde que foi descoberto até 2002, o Brasil conseguiu construir 142 escolas técnicas. Os governos Lula e Dilma entregaram à população 424 escolas técnicas até 2014. “Em doze anos este País fez três vezes mais escolas técnicas do que em 500 anos”, ressaltou Gleisi.

Além disso, 8,41 milhões de alunos estão matriculados nos diversos cursos do Pronatec. Desses, 5,8 milhões estão em cursos voltados para a qualificação profissional e 2,5 milhões estão fazendo o ensino médio técnico. “Nunca tínhamos tido um programa dessa magnitude e com esse alcance”, apontou a senadora.

Ensino superior – Até 2002 – em 500 anos de história—o Brasil conseguiu ter 148 campi de universidades.  Em 12 anos de governos Lula e Dilma foram criados mais 173 campi.

O Prouni já beneficiou 1,7 milhão de pessoas, “estudantes que não tinham recursos para pagar sua mensalidade numa escola privada”, lembrou a senadora. Atualmente, 687 mil estudantes estão matriculados no ensino superior pelo Prouni.

Além disso, atualmente estão em vigor 2,643 milhões de contratos de financiamento estudantil (FIES). O programa empresta recursos para que o estudante possa cursar a faculdade e pague o empréstimo depois de formado, com prazo estendido, com grande carência e praticamente sem juros.

O Ciência sem Fronteiras já concedeu 101.257 bolsas para que estudantes brasileiros cursem as melhores universidades do mundo. “Não tenho dúvidas de que isso vai fazer a diferença na qualidade e na formação do Brasil”, afirmou Gleisi.

Gleisi expressou sua satisfação por ter participado de todo esse processo de mudanças e lembrou que com a aprovação do Plano Nacional de Educação, o PNE, com suas 20 metas a serem alcançadas em uma década, o Brasil tem tudo para alcançar um novo patamar. A meta mais importante, destacou ela, é a de colocar 10% do Produto Interno Bruto para a educação. “E nós vamos cumprir, até porque foi um compromisso da presidenta, de colocar os recursos do pré-sal para a educação”, assegurou a senadora.

 Cyntia Campos

Leia também