Garantir empregos

Gleisi: Pacote de Guedes é pouco para enfrentar a crise

Presidenta do PT avalia que os R$ 147 bilhões são insuficientes para proteger a economia, empregos e pessoas. “O governo precisa acordar”, aponta
:: Da redação17 de março de 2020 11:35

Gleisi: Pacote de Guedes é pouco para enfrentar a crise

:: Da redação17 de março de 2020

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), considera insuficiente o pacote de R$ 147 bilhões anunciado pelo governo para enfrentar a crise do coronavírus. “É muito pouco diante da pandemia e seus efeitos para a economia e a sociedade brasileira”, disse. Ela insiste que o governo precisa voltar a retomar os investimentos públicos, para gerar empregos e fazer a roda da economia girar.

O PT apresentou na semana passada medidas para enfrentar a crise: com investimentos públicos, suspensão da PEC do Teto dos Gastos, abono salarial para o salário-mínimo e inclusão de 3,5 milhões de pessoas ao Bolsa Família. “O ministro da Economia não fez qualquer aceno para ampliar a rede de proteção aos mais pobres e mais carentes”, lamentou. “O povo precisa de ajuda nesta hora tão difícil que o mundo vai atravessar. O governo precisa olhar para todos!”

Ela reiterou alguns pontos da proposta apresentada pelo partido na última sexta-feira, que inclui investimentos maciços no Sistema Único de Saúde. “Os R$ 5 bilhões anunciados por Guedes para reforçar a saúde não são suficientes nem para suprir os cortes de R$ 10 bilhões no Orçamento do Ministério da Saúde feitos pelo governo em 2019”, advertiu. Gleisi lembra que outras nações, como França, Espanha e Alemanha, estão preocupadas em proteger as pessoas, empresas e empregos. “Aqui, o ministro da Economia não parece convencido da gravidade da situação”, disse.

Na segunda-feira, Paulo Guedes veio a público anunciar o pacote. Entre as medidas, a antecipação do 13º salário de aposentados, novas liberações de parcelas do FGTS, a suspensão da cobrança de tributos e a rolagem das dívidas de pessoas físicas e empresas. “Faltaram medidas de proteção ao emprego e dinheiro para os mais pobres e vulneráveis”, comentou Gleisi.

Na coletiva em que anunciou medidas, nervoso, o ministro voltou a cobrar a aprovação das reformas pelo Congresso. Ele insiste que as reformas são necessárias para colocar a economia de volta nos trilhos. Não parece preparado para a realidade que vai se abrindo: a economia mundial vai entrar em recessão severa – a produção industrial da China caiu 13,5% em janeiro/fevereiro – e o Brasil – ao contrário do que o ministro diz – não vai escapar.

No anúncio das medidas, em Brasília, Guedes se mostrou irritado com o fato do Congresso não ter aprovado a privatização da Eletrobras. E ameaçou: se não ocorrer até a próxima sexta-feira, ele vai contingenciar R$ 16 bilhões que esperava arrecadar com a venda da holding. Gleisi disse que o PT é contra a venda das estatais. “Privatizar a Eletrobrás é um erro estratégico, ainda mais em tempos de crise e no momento em que os mercados derretem em todo o mundo”, alerta.

A mídia também considera insuficiente o pacote do governo. A colunista Adriana Fernandes, do Estadão, resume: boa parte das medidas anunciadas é mera antecipação de algo que já ia ocorrer nos próximos meses. Não tem dinheiro novo. E avalia: “O governo vai precisar botar a mão no bolso para socorrer mais vulneráveis”, escreve.

Na Folha, o colunista Vinícius Torres Freire também vai na mesma linha: “O problema são os miseráveis que estão na fila do Bolsa Família, com a porta fechada na cara pelo governo, talvez 1 milhão de famílias. E aí, Guedes?”. No Estadão, Pedro Fernando Nery saiu em defesa do Bolsa Família. “Principal mecanismo de proteção de renda de informais e desempregados, o Bolsa Família chega já em crise para atender à crise do coronavírus”, aponta.

 

 

 

 

Leia também