economia desestruturada

Guedes arrebenta cadeias produtivas da indústria nacional

Retomada desigual em diferentes setores desorganizou indústrias, que sofrem com falta de insumos e incerteza sobre o futuro, com as dívidas crescendo. Comércio também relata atraso de entregas e forte elevação de preços. Representantes patronais preveem aumento da inadimplência já neste ano
:: Agência PT de Notícias28 de setembro de 2020 09:58

Guedes arrebenta cadeias produtivas da indústria nacional

:: Agência PT de Notícias28 de setembro de 2020

Por falta de planejamento e comando do Ministério da Economia, as cadeias produtivas da indústria nacional vivem um momento de caos e desorganização que se reflete na insuficiência de insumos para a retomada do ritmo de produção. O setor de vestuário é um dos mais afetados pela situação. Por falta de matéria-prima, vários fabricantes têm enviado comunicado a seus representantes alertando que encerrarão as vendas até que o fornecimento de material seja normalizado.

O desabastecimento na cadeia torna os custos ainda mais altos do que já vinham por conta da valorização do dólar. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, disse ao jornal ‘O Estado de São Paulo’ que vê tensão na indústria, uma vez que os preços sobem e as mercadorias faltam, porque todos estão buscando produtos ao mesmo tempo.

“Entendemos que serão necessários uns 90 dias para regularizar fluxo da cadeia de produção e distribuição”, previu Pimentel. Ele comentou que a indústria têxtil e de confecção é de concorrência perfeita, o que regula preços e segura historicamente a inflação do ramo. Ainda assim, os preços têm sido influenciados por um fator que vai além da produção que ficou parada devido à pandemia: a desvalorização do real.

Pimentel avalia que 70% da indústria têxtil está atrelada a moedas estrangeiras. “O algodão é dolarizado, as máquinas são dolarizadas. Mais de 70% das máquinas são importadas. Produtos químicos da produção também são. Isso causa um reequilíbrio dos preços relativos, que mais à frente vão se reacomodar”, acredita.

As indústrias química, farmacêutica, de cosméticos, de limpeza e de tintas não têm material de embalagem para mais 30 dias. Essas indústrias estão sem resina para produzir por mais de um mês. E está faltando embalagens plásticas no mercado pela falta de polietileno e polipropileno”, diz José Dias. “O preço da matéria-prima já aumentou 30%, mas a gente não está conseguindo comprar

José Dias, vice-presidente da Federação das Associações do Comércio, Indústria, Serviços e Agropecuária do Ceará (Facic)

“O setor têxtil vem sentindo várias intempéries relacionadas à alta do dólar e falta de insumos, com tendência a piorar ao longo do ano se a equipe econômica não providenciar um apoio mais incisivo às áreas produtivas e geradoras de emprego”, afirmou o vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo, Samir Nakhle Khoury.

Muitas companhias do setor de vestuário já operavam no limite financeiro, rolando dívidas e renegociando com bancos e fornecedores para evitar um processo de recuperação judicial. Até donas de grandes marcas do segmento de “vestuário de luxo” estão sentadas há meses na mesa de negociações.

No Ceará, a dificuldade enfrentada por alguns setores da indústria para encontrar insumos – e absorver os custos mais elevados – podem complicar o atendimento à demanda. O problema vem atingindo segmentos que utilizam, por exemplo, materiais plásticos e papelão, e há indústrias que só têm estoque para os próximos 30 dias.

José Dias, vice-presidente da Federação das Associações do Comércio, Indústria, Serviços e Agropecuária do Ceará (Facic), afirma que as indústrias que precisam de resinas plásticas já estão sendo impactadas pela alta de cerca de 30% no preço dos insumos. E, segundo avaliação dele, não há perspectiva de que a situação seja normalizada.

“As indústrias química, farmacêutica, de cosméticos, de limpeza e de tintas não têm material de embalagem para mais 30 dias. Essas indústrias estão sem resina para produzir por mais de um mês. E está faltando embalagens plásticas no mercado pela falta de polietileno e polipropileno”, diz José Dias. “O preço da matéria-prima já aumentou 30%, mas a gente não está conseguindo comprar”, diz.

Segundo o industrial, o problema vem ocorrendo no mundo inteiro, mas no Brasil há o agravante de o setor de reciclagem ter ficado praticamente parado durante a quarentena. “No Brasil, a reciclagem é muito relevante, e os catadores pararam de trabalhar durante a pandemia. Praticamente 100% do PVC é reciclado. Com isso vem faltando plástico, papelão e alumínio no mercado e a indústria não tem capacidade para entregar seus produtos”, alerta.

Apenas no setor de cosméticos, o problema vem afetando cerca de 100 indústrias no Ceará. “As empresas de embalagens de papelão só estão conseguindo entregar para o próximo ano. E quase 100% do papelão também é reciclado. A pandemia parou muitas fábricas e a produção desse período que ficou parado está fazendo falta agora”, diz Dias.

Segundo João Emílio Padovani Gonçalves, gerente-executivo de política industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o grande problema é a heterogeneidade da retomada. “Falta sincronia. Muitas das empresas que querem ou precisam retomar agora não têm fornecedor, ou porque fecharam ou porque ainda não estão em condições de produzir. Isso traz dificuldade de acesso à matéria-prima e custos mais elevados para o setor”, explica.

Comércio reclama de atrasos e altos preços
O problema se estende a setores diversos, e crescem os relatos de comerciantes sobre atrasos de entrega pela indústria, falta de produtos e aumento de preços, que comprimem margens diante da impossibilidade de repasse ao consumidor, com a economia ainda enfraquecida.

A pesquisa ‘Pulso Empresa’, divulgada no início deste mês pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostrou que 45,4% dos entrevistados enfrentaram dificuldade de acesso a insumos, matérias-primas ou mercadorias na segunda quinzena de julho, acima dos 38,6% que enfrentavam o problema na quinzena anterior.

O contratempo é mais frequente entre pequenas empresas – 45,5% relataram esse tipo de dificuldade – e no comércio varejista (71,9%) e de veículos, peças e motocicletas (70,4%). “Tem fornecedor que está demorando o dobro para entregar, que manda uma parte e a outra vem depois, coisa que não era costumeira, existia uma entrega mais regular”, relata Jorge Dib, diretor da União dos Lojistas da Rua 25 de Março e Adjacências (Univinco) ao jornal ‘Folha de São Paulo.

Segundo Dib, os lojistas da 25 de Março, na região central de São Paulo, também têm enfrentado dificuldades na entrega de embalagens, particularmente em papelão. Ele avalia que a origem do problema está na indústria, que enfrenta falta de matéria-prima em alguns casos e está trabalhando com pessoal reduzido, por conta do distanciamento social nas empresas.

No varejo de autopeças, o problema não é só de atraso nas entregas, mas de falta de produtos. “Existe um gargalo logístico por conta da parada da economia chinesa durante quatro meses no primeiro semestre”, afirma Francisco De La Tôrre, presidente do Sincopeças-SP, que representa 27 mil lojas de autopeças no estado. “Isso está se refletindo agora: o mundo voltou a operar, a recuperação está sendo mais rápido do que se esperava, então há um problema de fornecimento e de aumento de preços, por conta do câmbio”

Segundo De La Tôrre, essa alta de custos está sendo absorvida pela cadeia. “Todos os players – varejo, atacadistas, importadores e fabricantes – estão abrindo mão de margens, porque não temos um consumidor em condição de absorver esses aumentos”, afirma o líder patronal. “Estamos diante de um consumidor mais pobre”, concluiu.

A inflação ao consumidor segue em alta de 2,31% em 12 meses até julho, segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Já no atacado, os custos disparam, com o IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado), que é composto em 60% pelos preços ao produtor, acumulando avanço de 13,02% em 12 meses até agosto. O descompasso entre os dois índices é um indicativo dessa perda de margem das empresas.

Confira a íntegra da matéria

Leia também