Hipócritas! Hipócritas! Hipócritas!, afirma Gleisi sobre a trama do golpe

:: Da redação10 de agosto de 2016 01:20

Hipócritas! Hipócritas! Hipócritas!, afirma Gleisi sobre a trama do golpe

:: Da redação10 de agosto de 2016

Gleisi: “O ódio não nasce conosco, é ensinado, é aprendido. E depois de aprendido e ensinado, foi um passo para se construir o impeachment”Na sessão de pronúncia do Senado para decidir se Dilma será julgada ou não, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) traçou com perfeição como foi articulada a trama do golpe. Começou pouco antes das eleições de 2014, quando o maior líder do PSDB, Fernando Henrique Cardozo afirmou que o PT só ganhava as eleições nas regiões mais pobres do País. Demonstrava, ali, mais uma vez, o desapreço de seu partido com os despossuídos para durante os governos de Lula e Dilma passaram a ser vistos como gente, de pertencerem ao Brasil e de terem o direito de ter amor próprio. 

Claro que os avanços sociais incomodaram os derrotados nas urnas. O Brasil e os brasileiros mudaram, para melhor, mas o ódio foi ensinado e aprendido. E depois disso, justificou o caminho para o impeachment com o surgimento de outros personagens. Na Câmara, por vingança, o defenestrado deputado Eduardo Cunha, prestes a ser preso e cassado, decidiu acatar a denúncia paga pelo PSDB para lustrar a abertura do impeachment naquela casa. 

A sessão de horrores teve de tudo, inclusive deputados que no dia seriam presos por corrupção. No caso do Senado a situação não é diferente. Para Gleisi Hoffmann, nenhum partido político tem moral para julgar a presidenta Dilma, porque ou estão envolvidos por corrupção, ou porque têm promessas do governo interino. “Não tem um partido aqui que tenha moral para apontar para o PT, para o Lula ou para a Dilma, denunciando alguma coisa. Todos aqui estão envolvidos, de certa forma, com questões de corrupção e de desvios, não têm moral para julgar a presidenta da República”, afirmou. 

Por essa razão que a senadora, no final de seu discurso, recordou um fato já ocorrido nesse mesmo Senado da República, quando o senador Tancredo Neves enfrentou Auro de Moura Andrade, presidente do Congresso, e gritou em alto e bom som: hipócritas, hipócritas, hipócritas”. Moura Andrade, sócio do golpe de 1964, declarou vaga a presidência da República, ocupada por João Goulart. Daí em diante, o Brasil experimentou um período negro da ditadura militar.  

Leia a íntegra do discurso da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR):

 

Sr. Presidente Lewandowski, quero saudar V. Exª, lamentando que esteja na nossa Casa presidindo uma sessão que é tão triste para o Brasil e acredito tão ingrata para esta instituição, porque pergunto a V. Exª, assim como pergunto aos meus pares: Por quais crimes estamos julgando a Srª Presidenta da República? Quais crimes estamos trazendo aqui para fazer esse julgamento? 

As pedaladas fiscais não podem ser. Elas foram desconstruídas durante o processo que nós tivemos aqui na Comissão Especial de Impeachment, desconstruídas por uma perícia, que a própria comissão requereu, e a perícia dizia que não havia ato comissivo da Presidente Dilma, portanto ela não tinha interferido nos atrasos para os pagamentos das isenções do plano Safra e depois pelo Ministério Público, que mandou arquivar um procedimento penal, dizendo que as pedaladas não se que equivaleriam a operações de crédito, e portanto, se não eram operações de crédito, não se constituíam em crime contra a Lei de Responsabilidade Fiscal. 

A principal acusação à Presidenta caiu. E os decretos? Que começamos com seis e terminamos com três? Grande fragilidade nesses decretos! Acredito, como o Senador Humberto, que se ficássemos mais uma semana na Comissão Especial de Impeachment, esses três decretos também não se sustentariam, porque em decisões complexas a Presidente precisa ser assessorada, e Assessoria ela teve, dos seus Ministros e dos seus técnicos, dizendo que estava tudo certo. 

Por isso nós temos repetido aqui, Presidente Lewandowski, que é um golpe, porque não pode ser um impeachment pelo conjunto da obra. 

Assista ao discurso da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR)O conjunto da obra quem julga é a urna, não o Congresso Nacional, não o Senado da República. É um golpe que começou a ser urdido há muito tempo, um golpe que começou a ser montado antes do segundo turno das eleições de 2014, quando o ex-Presidente Fernando Henrique disse ao País que os votos dados a Dilma e ao PT eram de nordestinos pobres, incapazes de decidir, porque eram beneficiários de programas sociais como o Bolsa Família. 

Depois veio a revista Veja, que é o braço direito do conservadorismo brasileiro, e estampou na sua capa, na véspera da eleição, que Lula e Dilma sabiam de toda a crise da Petrobras, que eles sabiam e tinham responsabilidade, sem nenhum fato, sem nenhuma prova. Não ganharam as eleições. Dilma ganhou as eleições. O que fizeram os perdedores, o PSDB e Aécio Neves? Puseram em cheque a urna eletrônica. V. Exª foi Presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Temos um dos sistemas que é referência no mundo. Fizeram e pediram a recontagem, não a recontagem no Paraná, em São Paulo, em Goiás, onde se elegeram os peessedebistas, mas a recontagem dos votos de Dilma. 

De novo foram derrotados, porque as urnas estavam certas. Não contentes com isso, queriam impedir a diplomação da Presidente Dilma, dizer que o TSE não poderia diplomá-la, porque suas contas estavam ilegais. De novo foram derrotados. 

O que eles queriam com isso, Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, era criar um clima de desconfiança em cima do Governo e da Presidenta ao colocar em descrédito e deslegitimar o voto popular, o sistema de votação e o TSE, a mensagem para este País era de que a Presidenta foi eleita por votos de ignorantes, comprados por programas sociais e teve um sistema fraudado de votação, além das denúncias seletivas de corrupção, porque o PT passou a ser o partido mais corrupto da história. O Lula, o chefe da quadrilha, todos os petistas quadrilheiros. 

O bom é que a verdade resiste ao tempo e agora aqueles que nos acusavam estão sendo acusados, inclusive quem está hoje no Palácio do Planalto. Logo o PT que proporcionou tantos instrumentos para fazer investigações. V. Exª sabe, porque foi iniciativa do Lula e da Dilma, a lei do colarinho branco, a lei das organizações criminosas, que possibilitou a delação premiada, a Lei de Acesso à Informação, o Portal da Transparência, a autonomia do Ministério Público e da Polícia Federal. 

Estava dado o caldo, Sr. Presidente, para que o ódio contra o PT e o ódio contra a Presidenta Dilma vicejasse em nossa sociedade, porque é assim como nos ensina Mandela: o ódio não nasce conosco, o ódio é ensinado, o ódio é aprendido. E depois desse ódio, aprendido e ensinado, foi um passo para se construir o impeachment: um parecer pago, a Advogada Janaína Pachoal, por R$45 mil, pelo PSDB; Dr. Miguel Reale, a quem tenho muito respeito, mas é filiado ao PSDB, tem lado nesta causa; o despudor do Tribunal de Contas da União, que teve um papel político, veio para dentro desta Casa fazer discurso, deu entrevistas, mudando completamente seu entendimento em relação às contas passadas. 

Claro, não podiam deixar de contar com a inestimável ajuda do Deputado Eduardo Cunha, porque o PT não tinha votado com ele na Comissão de Ética, por vingança abriu o processo. Todos já sabiam que ele era contra a Presidenta Dilma e a participação conspiratória de quem assume hoje o Palácio do Planalto. Primeiro, o Vice Michel Temer disse que poderia ser unificador nacional – não deu certo. Aí fez uma carta chorosa se colocando como vítima, também não deu certo. Aí foi para ação. Veio para dentro do Congresso Nacional articular voto dos Deputados para passar a primeira fase do impeachment. Como confiar num Vice-Presidente que traiu sua companheira de chapa? Trairá, com certeza, este País. 

E o papel golpista do Parlamento brasileiro: votou-se em nome de tudo na Câmara dos Deputados, que, aliás, deu um show que nos envergonhou perante o mundo. Votou-se em nome de Deus, da família, da tortura, só não se votou por aquilo que tinha que se votar, a realidade do que dava para abrir o processo de impeachment. 

Agora, aqueles arautos da moralidade, que votaram em nome de tudo isso estão lá respondendo processo, alguns por apologia ao estupro, outros por assédio sexual, outros porque participaram de desvios. São túmulos caiados – tenho que lembrar aqui o Evangelho de Mateus –, formosos por fora, mas podres por dentro. 

E o Senado da República, para acalmar a consciência, dizem que tem o rito, que tem o processo. Ora, o rito e o processo ficaram mais importantes que o conteúdo! O rito e o processo têm que servir ao conteúdo. 

Desculpem-me, Sr. Senadores, isso não vai fazer a consciência de V. Exªs ficar mais leve. Quando V. Exªs colocarem a cabeça no travesseio, vão saber que fizeram uma grande injustiça, que tiraram uma Presidenta para tentar purgar os pecados da política como um todo. É isso que estão fazendo. Tem que ter coragem e temos que perguntar, como dizia Drummond: e agora José, que a casa caiu, que está aí tudo aparecendo, que não é só o PT o protagonista principal da corrupção neste País? E agora? 

Não tem um partido aqui que tenha moral para apontar para o PT, para o Lula ou para a Dilma, denunciando alguma coisa. Todos aqui estão envolvidos, de certa forma, com questões de corrupção e de desvios, não têm moral para julgar essa Presidenta da República. 

Se os senhores querem ter coragem para arrumar a política neste País, então vamos ter coragem. Não é condenando apenas ela, porque isso é fácil. Vamos ter coragem, vamos convocar eleições gerais neste País, para que o Congresso Nacional também seja reeleito, Câmara e Senado, porque qual é a moral deste Congresso com esses partidos envolvidos para julgar a Presidenta da República? Qual é a moral? Vamos convocar uma eleição geral; aí, sim, nós podemos estar dando um caminho para a saída da crise política que nós temos neste País. E vamos discutir aprofundadamente uma reforma política, e vamos fazer essa eleição agora, início de 2017. Aí nós podemos bater no peito e dizer que nós temos condições. Isso é coragem, isso é ousadia! Tirar uma Presidenta para purgar os crimes políticos de todos não é ousadia – não é ousadia e é atentar contra a democracia. 

Queria dizer, Sr. Presidente, Srs. Senadores, se este Plenário aprovar o relatório do Senador Anastasia, que, aliás, teve acusações semelhantes à que tem a Presidenta Dilma, de ter feito decretos sem base legal e de ter feito pedaladas no governo de Minas. O que ele respondeu para nós? Que o Tribunal de Consta do Estado de Minas tinha aprovado suas contas. Como pode um tribunal de contas de um Estado mudar a Constituição, então?

Alguma coisa está errada: ou o Tribunal de Contas de Minas, ou a Constituição Federal. Não é possível que ambos estejam certos.

Pois se este Congresso Nacional, este Senado aprovar aqui o relatório do Senador Anastasia, vai restar ao povo brasileiro, em paralelo de indignação com o então Senador Tancredo Neves, que enfrentou Auro de Moura Andrade, gritar em alto e bom som, porque vai ecoar nos corredores deste Senado: “Hipócritas! Hipócritas! Hipócritas!”

Obrigada, Sr. Presidente.

 

Leia mais:

Humberto denuncia verdadeira razão do golpe: “é pura hipocrisia”

Leia também