Mendonça Filho

Humberto quer convocar ministro para explicar desmonte

Para o senador, o MEC virou o "shopping center" da iniciativa privada
:: Assessoria do senador Humberto Costa5 de abril de 2017 09:44

Humberto quer convocar ministro para explicar desmonte

:: Assessoria do senador Humberto Costa5 de abril de 2017

Crítico do desmonte promovido pelo ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), nos principais programas da pasta, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), pediu, nesta terça-feira (4), a convocação dele no Congresso Nacional para explicar os cortes que está fazendo em políticas consideradas fundamentais para a educação brasileira, como o Ciência sem Fronteiras, o Fies e o ProUni.

Para o senador, o MEC virou o shopping center da iniciativa privada, em que indicados por donos de universidades particulares estão tomando conta de todos os postos de comando.

“Temos a obrigação de saber porque isso está ocorrendo e porque ele está passando a tesoura em todos os projetos exitosos da área e reduzindo sensivelmente os investimentos em algo tão essencial para o nosso futuro como a educação”, afirmou.

Humberto avalia que a pasta está, infelizmente, sob o comando de “alguém que tem demonstrado profundo desapreço e incompetência para gerir temas tão sensíveis”.

Segundo o parlamentar, o ministro da Educação, que é de Pernambuco, deveria saber do valor que esse patrimônio tem, principalmente, para os nordestinos. Ele lembrou que a curta passagem de Mendonça pelo governo do Estado, em 2006 (quando o governador Jarbas saiu do cargo para concorrer ao Senado), também foi marcado por situações absolutamente incompatíveis com o bem-estar social da população.

“Mesmo tendo sido um governador-tampão que deixou o cargo com 70 escolas públicas prestes a desabar, escolas que foram imediatamente interditadas na gestão que o sucedeu, ele deveria saber o quanto o Estado e a região avançaram e se tornaram mais competitivos graças aos investimentos feitos nessa área pelos governos de Dilma e de Lula”, ressaltou.

 

Leia na íntegra

Leia também