IBGE constata: produção agrícola chegou a R$ 204 bilhões em 2012

:: Da redação25 de outubro de 2013 16:00

IBGE constata: produção agrícola chegou a R$ 204 bilhões em 2012

:: Da redação25 de outubro de 2013

O valor da produção cresceu 4,3% e atingiu R$ 204 bilhões, numa área cultivada no País equivalente a 69,2 milhões de hectares, um milhão a mais do que no ano passado.

Em 2012, a produção de milho cresceu 27,7%,
contabilizando 71,1 milhões de toneladas
(meioambiente.culturamix.com)

A pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM) divulgada, nesta sexta-feira (25), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) cresceu 4,3% em 2012 e atingiu o valor de R$ 204 bilhões, numa área cultivada no País equivalente a 69,2 milhões de hectares, um milhão a mais do que no ano passado. A produção de milho cresceu 27,7%, contabilizando 71,1 milhões de toneladas. Esse volume superou a produção de soja, de 65,9 milhões de toneladas, que liderava o ranking desde 2002. A produção de soja caiu 12% por causa da falta de chuvas nas regiões Sul e Nordeste, mas em compensação, continua sendo a cultura de maior valor, correspondente a 24,7% do total, seguida pela cana-de-açúcar, 19,8% e o milho, 13,2%.

A pesquisa do IBGE coleta informações sobre o plantio e área plantada de 64 tipos de produtos, em 5.565 municípios brasileiros. No levantamento relativo a 2012, notou-se que o município de São Desidério, na Bahia, ultrapassou em valor de produção a cidade de Sorriso, no Mato Grosso, com alta de 35,2% em relação a 2011. Mas Sorriso viu sua produção agrícola crescer expressivos 124,6% e, com isso, mantém o status de maior produtor nacional de soja e milho.

A forte estiagem que afetou estados no Norte e do Nordeste refletiu, por exemplo, na produção de pelo menos 22 espécies de frutas, que caiu 6,5%. Petrolina, no Pernambuco, continua sendo a maior produtora de frutas do País, enquanto que o município de Juazeiro, na Bahia, mantém a segunda colocação, embora tenha registrado queda de 20,9% no valor de sua produção de frutas. A seca afetou não apenas as plantações de frutas; a produção nacional de castanha de caju teve queda de 65,1% e o valor da produção caiu 59,9%. A produção de laranja caiu 9,1% em relação a 2011 e só no estado de São Paulo a queda foi de 12,6%.

Preços melhores

A quebra na safra de milho nos Estados Unidos, o maior produtor mundial dessa fonte de energia, contribuiu para melhorar as cotações no mercado internacional e isso foi determinante para o aumento da área plantada pelos produtores brasileiros em 10,7%. Os investimentos em tecnologia agregaram um crescimento de 27,7% na produção. 

O Mato Grosso teve uma safra de 15,7 milhões de toneladas e mostrou o maior crescimento (101,5%). De acordo com a pesquisa, as maiores produções de milho foram apuradas nos municípios de Sorriso (MT), Jataí (GO), Lucas do Rio Verde (MT), Rio Verde (GO) e Maracaju (MS).

Já a plantação de soja ocupou 25,1 milhões de hectares, 36,3% da área plantada no País, 1,1 milhão de hectares a mais do que em 2011, mas a produção ficou em 65,8 milhões de toneladas – queda de 12% – por causa da falta de chuvas no Mato Grosso do Sul, Bahia e Piauí e também na região Sul do País. O Rio Grande do Sul caiu para o 4º lugar no ranking de produção de soja, sendo ultrapassado por Goiás. 

Também por conta da falta de chuvas, a produção de cana-de-açúcar caiu 1,8% em 2012, depois de doze anos registrando alta. O estado de São Paulo continua como o maior produtor, com 56,3% da produção nacional, seguido por Minas Gerais, com 9,8%. Em Goiás, estado que essa cultura tem crescido, tornou-se o terceiro maior produtor nacional, com destaque para o município de Quirinópolis onde a produção cresceu 16,7%.

A produção de algodão também foi prejudicada pela estiagem e as safras caíram 20,5% na Bahia, 17,2% em Goiás e 9,9% em Minas Gerais, e o mesmo ocorreu com a produção de mandioca que teve forte revés com a seca no Nordeste. A área colhida alcançou 1,69 milhão de hectares, com produção de 23,04 milhões de toneladas, queda de 9,1% em relação a 2011.  O rendimento médio ficou em 13.616 quilos por hectare. Entre os municípios que lideram a produção de mandioca, seis são do Pará, Santarém, Acará, Ipixuna do Pará e Oriximiná, responsáveis por uma produção de 1,1 milhão de toneladas.

Confira a pesquisa do IBGE

Marcello Antunes

Com informações do IBGE

Leia também