IBGE prevê safra agrícola 15,7% maior que a do ano passado

A estimativa da área a ser colhida em 2013 - 52,7 milhões de hectares - cresceu 8,0% frente a 2012.

:: Da redação10 de setembro de 2013 15:19

IBGE prevê safra agrícola 15,7% maior que a do ano passado

:: Da redação10 de setembro de 2013

A oitava estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas1 totalizou 187,3 milhões de toneladas, superior 15,7% à obtida em 2012 – serão 161,9 milhões de toneladas, – 0,3% em relação à julho. A estimativa da área a ser colhida em 2013 – 52,7 milhões de hectares – cresceu 8,0% frente a 2012.

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo e, somados, representaram 92,7% da estimativa da produção e 86,1% da área a ser colhida. Em relação a 2012 a área cresceu 7,7% para o milho, 11,2% para a soja e caiu 0,5% para o arroz. No que se refere à produção em relação a 2012, os acréscimos foram de 2,7% para o arroz, de 13,3% para o milho e de 23,8% para a soja.

Safra por regiões
Entre as Grandes Regiões, a Centro-Oeste responde por 78,4 milhões de toneladas da produção; o Sul por 72,4 milhões de toneladas; a Sudeste, 19,7 milhões de toneladas; a Nordeste, 12,2 milhões de toneladas e a Norte, 4,6 milhões de toneladas.

Em relação à safra passada, houve altas de 10,8% na Região Centro-Oeste, de 31,1% na Sul, de 2,3% na Sudeste e de 2,7% na Nordeste. No Norte houve queda de 3,2%. Nessa avaliação para 2013, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,5%, seguido pelo Paraná (19,6%) e Rio Grande do Sul (15,7%), que somados representaram 59,8% do total.

Estimativa de agosto em relação a 2012
Entre os vinte e seis produtos selecionados, as estimativas de dezesseis subiram em relação ao ano anterior: como arroz, batata-inglesa 1ª safra (2,5%), batata-inglesa, feijão, milho, soja e trigo. Dez produtos mostraram quedas nas estimativas. Em relação a 2012, em números absolutos, as altas mais significativas ocorreram em cana-de-açúcar, soja, milho e trigo, enquanto mandioca, algodão herbáceo, laranja e café tiveram as maiores variações negativas.

Informações do IBGE 

Leia também