Juros caem para 9%; Brasil deixa de ter taxa real mais alta do mundo

Em nota, o Copom, considerou que, neste momento, permanecem limitados os riscos para a trajetória da inflação.

:: Da redação18 de abril de 2012 21:02

Juros caem para 9%; Brasil deixa de ter taxa real mais alta do mundo

:: Da redação18 de abril de 2012

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, decidiu nesta quarta-feira (18/04) cortar a taxa básica de juros (a Selic) em 0,75 ponto percentual, indo de 9,75% para 9% ao ano. A decisão foi unânime entre os integrantes do Copom.??

Com isso, Brasil deixou de ter a maior taxa de juros reais do mundo, ficando com 3,4%, segundo levantamento feito pelo analista internacional da Apregoa.com – Cruzeiro do Sul, Jason Vieira, em colaboração com o analista de mercado da Weisul Agrícola, Thiago Davino. A Rússia agora é a campeã dos juros reais, com 4,2%. 

Os juros reais descontam a inflação projetada para os próximos 12 meses. Os 9% ao ano representam a menor taxa do governo Dilma Rousseff. É também a Selic mais baixa em mais de dois anos, desde março de 2010, quando estava em 8,75% ao ano.

Este foi o sexto corte seguido na taxa. A série de reduções começou em agosto do ano passado, quando os juros caíram de 12,5% para 12%.

Na nota divulgada pelo Copom, o órgão avalia que a inflação está sob controle. “O Copom considera que, neste momento, permanecem limitados os riscos para a trajetória da inflação. O Comitê nota ainda que, até agora, dada a fragilidade da economia global, a contribuição do setor externo tem sido desinflacionária. Diante disso, dando seguimento ao processo de ajuste das condições monetárias, o Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic para 9% ao ano, sem viés.”

Agora, o mercado trabalha com a expectativa de que o BC mantenha a Selic estável pelo resto do ano, do modo a avaliar os efeitos dos juros mais baixos em um ambiente sem pressões inflacionárias, apesar das preocupações com a crise econômica internacional.

O governo Dilma tem tomado medidas para reduzir os juros ao consumidor. Os bancos públicos – Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – anunciaram cortes em suas taxas. E, nesta quarta-feira, foram seguidos pelos maiores bancos privados – Bradesco e itaú divulgaram reduções.

Com Uol e Agência Brasil

Leia também