Juros para pessoa física seguem em baixa histórica, diz Anefac

Houve queda dos juros no comércio, no crédito direto para financiamento de veículos, no cheque especial e no empréstimo pessoal.

:: Da redação15 de abril de 2013 16:22

Juros para pessoa física seguem em baixa histórica, diz Anefac

:: Da redação15 de abril de 2013

A taxa média de juros para pessoas físicas apurada entre os grandes bancos continua caindo e mês a mês, supera os menores índices da história. Em março, a queda foi de 0,02 ponto percentual, caindo de 5,42% para 5,40% ao mês.Os dados são da pesquisa de juros da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

As seis linhas de crédito pesquisadas, apenas os juros no cartão de crédito ficaram estáveis, e as demais taxas foram reduzidas. Houve queda dos juros no comércio, no crédito direto ao consumidor nos bancos para financiamento de veículos, no cheque especial, no empréstimo pessoal em bancos e em financeiras para pessoas físicas.

Desde julho de 2011, houve uma redução da Selic — a taxa básica de juros da economia — de 5,25 pontos percentuais, de 12,5% ao ano para 7,25% ao ano. As taxas de juros para a pessoa física acompanharam a queda e apresentaram redução média de 33,24 pontos percentuais, passando de 121,21% ao ano para 87,97% ao ano.

TAXA DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA AO MÊS EM MARÇO

Linha de crédito

Taxa em março de 2013, ao mês

Taxa em fevereiro de 2013, ao mês

Juros comércio

4,00%

4,02%

Cartão de crédito

9,37%

9,37%

Cheque especial

7,72%

7,75%

CDC -bancos- financiamento de automóveis

1,52%

1,54%

Empréstimo pessoal -bancos

2,91%

2,92%

Empréstimo pessoal-financeiras

6,88%

6,94%

Taxa média

5,40%

5,42%

Para pessoas jurídicas, a taxa média de juros ficou estável em 3,06% ao mês (43,58% ao ano).

Nas três linhas de crédito para as empresas, houve redução de juros no capital de giro e na conta garantida, e elevação no desconto de duplicatas.

Com informações das agências de notícias

Leia mais:

Juros do empréstimo pessoal recuam e os do cheque especial ficam estáveis


Leia também