Lobão determina rigor na proteção de dados e telefonia no MME

:: Da redação7 de outubro de 2013 15:36

Lobão determina rigor na proteção de dados e telefonia no MME

:: Da redação7 de outubro de 2013

Depois a reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, que traz novas revelações sobre a espionagem norte-americana no Brasil, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão determinou, em nota, uma “rigorosa avaliação e reforço” dos sistemas que protegem a rede de computadores e de telefonia do Ministério.

A matéria mostrou que o MME também foi alvo de espionagem. A reportagem teve acesso a uma apresentação da Agência Canadense de Segurança em Comunicação (CSEC, na sigla em inglês) entregue por Edward Snowden – ex-analista contratado da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA, que revelou as ações de inteligência norte-americana e que está exilado na Rússia –, ao jornalista Glenn Greenwald, coautor da reportagem junto com Sônia Bridi.

Veja a íntegra da nota:

A Presidenta Dilma Rousseff já manifestou, com clareza, a indignação do seu governo e de todo o povo brasileiro com a espionagem praticada contra o Brasil. Trata-se, como afirmou em discurso na assembleia da Organização das Nações Unidas, no dia 24 de setembro, de “uma prática que fere o direito internacional e afronta os princípios que devem reger as relações entre os países”.

A invasão dos sistemas de comunicação e de armazenamento de dados do Ministério de Minas e Energia, denunciada pelo programa “Fantástico”, da Rede Globo, é grave, na medida em que sugere a tentativa de obtenção de informações estratégicas relacionadas com as áreas de atribuição da pasta, e merece o nosso repúdio.

Embora o Ministério de Minas e Energia tenha sistemas de proteção de dados considerados entre os mais seguros, e a maioria de suas informações seja de domínio público, estou determinando rigorosa avaliação e reforço desses sistemas e a análise do que possa ter sido objeto de espionagem.

Brasília, 06 de outubro de 2013
EDISON LOBÃO
Ministro de Minas e Energia

Leia também:

Dilma na ONU: espionagem americana fere Direito Internacional

Se comprovada espionagem, foi por “interesses econômicos e estratégicos”


Leia também