fala lula

Lula: “Com base nos autos, só há uma decisão: minha inocência”

“A minha briga é com o meu caso específico. Estou discutindo a minha inocência. Se alguém roubou que seja preso”, afirmou Lula em entrevista ao programa ‘O Povo’, da ‘CBN’ de Fortaleza
:: Agência PT de Notícias15 de abril de 2021 14:14

Lula: “Com base nos autos, só há uma decisão: minha inocência”

:: Agência PT de Notícias15 de abril de 2021

Só há uma decisão a ser tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no que diz respeito ao julgamento, pelo plenário da Corte, sobre decisão do ministro Edson Fachin que anulou as condenações de Lula: o reconhecimento da inocência do ex-presidente. Em entrevista ao programa O Povo, da CBN, nesta quinta-feira (15), Lula rebateu o falso argumento de que a anulação de seus processos, assim como a confirmação da suspeição de Moro, invalida outras condenações da Lava Jato. Lula deixou claro que o que está em questão é a injustiça cometida especificamente contra ele. E ressaltou que tem a consciência tranquila com o julgamento marcado para esta quinta (assista ao vivo aqui).

 

“Estou tranquilo. Tem gente que gosta de fazer confusão, dizendo que a anulação dos meus processos é a anulação da Lava Jato. É a anulação do meu caso. A minha briga é com o meu caso específico. Estou discutindo a minha inocência. Se alguém roubou que seja preso”, advertiu Lula.

Lula lembrou que sua defesa denunciou, desde 2016, as manobras da Lava Jato para condená-lo sem provas, evidenciando a parcialidade do então juiz Sergio Moro. Há cinco anos, a defesa de Lula sustenta que o ex-juiz articulou com o Ministério Público a maior farsa jurídica da história.

O que está em jogo, portanto, insistiu Lula, é a suspeição de Moro,  apontada pela defesa e confirmada pelas reportagens da Vaza Jato, do site The Intercept, e pelas conversas vazadas entre integrantes do Ministério Publico e Moro, obtidas pela Polícia Federal na Operação Spoofing.

“Foi criado um powerpoint que dizia que eu era chefe de uma quadrilha”, lembrou Lula. “Era a necessidade que eles tinham de me envolver no processo da Lava Jato e me levar para Curitiba. Era uma obsessão do Moro e do Dallagnol evitar que eu fosse candidato em 2018”, explicou.

“Acontece que esse processo do quadrilhão já foi derrotado, já foi vencido em Brasília, não existe mais”, argumentou Lula, ressaltando que a defesa entrou, em 2016, com pedido de anulação da votação na 13ª Vara de Curitiba. “Não sei porque demorou quase cinco anos para que fosse julgado, mas agora estamos provando todas as mentiras que foram contadas a meu respeito”.

Lula reiterou que foi condenado por “fato indeterminado”, uma vez que Moro não tinha do que acusá-lo. “Se um juiz não tinha porque me condenar, por que me condenou?”, questionou.  “Eu já provei a minha inocência. Eu quero que apareça no Brasil alguém para provar a minha culpa”, desafiou.

Sobre o julgamento desta quinta, Lula lembrou que o STF é soberano para decidir no plenário. “O plenário da [Corte] sempre será soberano. Isso vale para uma assembleia no Sindicato dos Metalúrgicos, vale para um congresso de um partido político e vale para uma reunião da Suprema Corte”.

Confira a íntegra da matéria

Leia também