Lula defende protestos em entrevista para jornal italiano

:: Da redação10 de março de 2014 21:51

Lula defende protestos em entrevista para jornal italiano

:: Da redação10 de março de 2014
Lula: “Nossos críticos gostariam que
diminuíssemos o emprego para reduzir
a inflação. Mas para nós a defesa do
emprego é mais importante
do que a inflação.”

Antes de embarcar para a Itália, na manhã desta segunda-feira (10/03), o ex-presidente concedeu entrevista ao La Repubblica,  um dos principais jornais italianos.
Amanhã, em Milão, Luiz Inácio Lula da Silva fará uma palestra para o Conselho Administrativo da Pirelli. Na quarta-feira, Lula irá a Roma, atendendo a convite do primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, para um almoço. No mesmo dia, retornará ao Brasil.

Trechos da entrevista que Lula concedeu a um jornal italiano:

Emprego e inflação
“Nossos críticos gostariam que diminuíssemos o emprego para reduzir a inflação. Mas para nós a defesa do emprego é mais importante do que a inflação.”

Importância que incomoda
“O Brasil era tratado como uma criança entre os adultos. Com simpatia. Aí o menino cresceu e começou a competir nos mercados, assumiu cargos internacionais importantes, teve um papel na mediação com o Irã. E então o menino começou a provocar aborrecimento … ”

Apoio aos protestos de rua
“Em uma verdadeira democracia as pessoas podem se expressar e eu, com a minha história pessoal, não posso condenar os protestos. Mas aqui em 11 anos foram criados 21 milhões de empregos, 36 milhões de pessoas foram levantadas a partir de extrema pobreza, 42 milhões entraram na classe média, mais do que duplicou o número de alunos matriculados na universidade. O elevador social funcionou. Mas, agora, os brasileiros querem mais, e com razão. Esta é a efervescência da nossa sociedade: a democracia não é um pacto de silêncio, mas a evolução em busca de coisas melhores.”

Coração de mãe
“Minha mãe morreu em 1980 enquanto eu estava na prisão por minhas lutas trabalhistas. Você não tem ideia do quanto eu queria que ele soubesse o que eu percebi: ela, analfabeta, levantou oito filhos sozinha com um senso de justiça que deve ser um exemplo para todos os políticos. Você não pode governar um país apenas com a racionalidade dos economistas. Você deve ter um grande coração, como o de uma mãe.”

Obama e América Latina
“Obama deve ter mais atenção à América Latina.”

Conselho a Maduro
“A Venezuela está passando por um período de turbulência: não é fácil sobreviver à perda de um líder como Chávez e eu acho que Maduro está errado em não fazer mais para iniciar o diálogo necessário com a oposição.”

Política e imprevisibilidade
“Não posso descartar qualquer coisa: a política é imprevisível. Mas a natureza é implacável: em 2018, para a próxima eleição, vou ter 72 anos.”

A recuperação do câncer
“O câncer é algo que você acha que pode pegar os outros, mas não você. Para mim foi um choque e ainda mais por saber que uma operação colocaria em risco as cordas vocais: a voz é preciosa para mim, a minha arma de luta política em décadas. Optei por passar por ciclos de quimioterapia intensiva, sofrendo muito. E eu me recuperei. Esta experiência me mudou profundamente, graças ao tumor eu aprendi a entender, apreciar uns aos outros. E realmente a amar a vida, o que é maravilhoso.”

Sem Paolo Rossi, por favor
“Vai ser a melhor Copa da história. O único risco para o Brasil é não ganhar no campo. Não tragam nenhum Paolo Rossi, por favor.”

Leia também