Lula, Dilma e Rui Falcão destacam realizações do PT

:: Da redação13 de dezembro de 2013 14:40

Lula, Dilma e Rui Falcão destacam realizações do PT

:: Da redação13 de dezembro de 2013

Na abertura do 5º Congresso do PT, eles criticaram tratamento recebido pelos governos democráticos e populares

Partido reage à oposição feita pela mídia
(Agência Brasil)

A estranheza pelo tratamento sempre de combate ao PT, a homenagem a companheiros recentemente falecidos, as realizações dos governos democráticos e populares e a discussão sobre os rumos do partido para os próximos anos – especialmente para as eleições de 2014 deram o tom dos discursos no 5º Congresso do PT. A presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participaram da abertura.

“Quem lê jornais acha que o Brasil está acabando. Eles começam a dizer que a percepção da economia é mais importante que a própria economia. É fantástico!”, Assim o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se referiu ao tratamento dado pela mídia tradicional à condução da política econômica dos governos democráticos e populares. Lula falou na noite desta quinta-feira, no 5º Congresso do PT. Ele esteve ao lado da presidenta Dilma Rousseff no encontro, que aconteceu em Brasília e homenageou Luiz Gushiken e Marcelo Déda.

Lula lembrou que muitos ficam incomodados com as transformações ocorridas no Brasil nos últimos dez anos. “Se um Lula incomoda muita gente, Lula, Dilma, o PT e as transformações sociais incomodam muito mais”, brincou. O ex-presidente afirmou que há um preconceito de pele com os políticos e governos petistas e que mesmo com uma imensa geração de emprego – que ultrapassou a marca de 1 milhão e 400 mil apenas em 2013 – as notícias são apenas negativas. “Nos criticam pelos nossos acertos, mais do que pelos nossos erros”.

Dilma começou seu discurso lembrando uma fala de Nelson Mandela que afirma que algo parece impossível, até que seja feito. Dilma destacou que a redução das desigualdades parecia não ser possível, mas foi atingida. E a inflação, que era de dois dígitos foi reduzida pela metade. “Superamos obstáculos colocados por aqueles que acreditavam que um outro Brasil não era possível”, ressaltou.

A presidenta afirmou ainda que “o PT não é um partido que deixa de ouvir os movimentos sociais e as ruas” e que seu governo funciona da mesma forma. Ela destacou a grande conquista que foi a destinação dos royalties do petróleo para a educação e explicou o Leilão de Libra e as vantagens do modelo de partilha para garantir ainda mais recursos. “Isso não tem nenhuma relação com privatização”.

Comunicação

O presidente do PT, Rui Falcão, falou do novo cenário de comunicação trazido pela internet e se comprometeu a fazer uma gestão próxima das bases. Ele também defendeu a regulamentação da mídia para garantir a liberdade de expressão e proibir monopólios e oligopólios.

Dilma_5_Congresso_PT_5747

“Quem lê jornais acha que o Brasil está
acabando”, disse Lula

Como forma de homenagem, o 5º Congresso leva o nome de Luiz Gushiken e Marcelo Déda. Gushiken, inicialmente arrolado entre os réus da AP 470, mas depois inocentado de todas as acusações, teve a saúde debilitada por conta do ataque em sua reputação que sofreu da mídia e dos procuradores Antonio Fernando de Souza e Roberto Gurgel, que conduziram as investigações do caso.

Marcelo Déda, ex-governador de Sergipe, ex-prefeito de Aracaju e ex-deputado federal, faleceu na semana passada após longa luta contra um câncer. Por sua trajetória honrada, o petista recebeu inúmeras homenagens no Congresso Nacional, inclusive de parlamentares de partidos adversários do PT.

No evento, estiveram presentes os membros da Comissão Executiva Nacional do partido, eleita e empossada em Brasília, e presidida por Rui Falcão. Participam do congresso 800 delegados de 26 estados e do Distrito Federal, além dos membros do Diretório Nacional e os presidentes estaduais do partido eleitos neste ano.

Constituinte Exclusiva

Reeleito presidente do Partido, Rui Falcão recordou a responsabilidade de comandar “o mais vibrante e atuante partido de massas já nascido nesse país”.

Disse que o momento é de reflexão e reafirmação de propostas. “É hora de acenar com reformas mais profundas, sendo a mais importante delas a reforma política nos termos em que temos proposto em nosso abaixo-assinado”, disse. Ele conclamou o Congresso a acelerar o processo de aprovação da matéria.

“Ao mesmo tempo em que lutamos no Congresso, o PT apoia todas as iniciativas voltadas para uma reforma política que acabe com o peso do poder econômico nas eleições, que amplie a participação das mulheres na vida política nacional e que aprofunde a participação popular nos processos políticos.

Também convocou um Plebiscito Popular pela Constituinte Exclusiva, previsto para a Semana da Pátria de 2014. “A Constituinte Exclusiva é um instrumento fundamental para a realização de uma efetiva reforma política, como a presidenta Dilma e o PT defenderam no curso das manifestações populares de junho.”

Segundo ele, porém, essa não é a reforma necessária e urgente .Há outras, como a reforma urbana, a ampliação da reforma agrária e a aceleração de uma reforma tributária progressiva, que desonere a produção e os salários. “É preciso, igualmente, como vem assinalando muito bem nossa presidenta Dilma, uma revolução de qualidade nos serviços públicos, capaz de garantir atendimento digno a todos os brasileiros e brasileiras, das cidades mais ricas, aos rincões mais remotos do país”, disse.

Leia a íntegra do discurso do presidente Rui Falcão

 

Com informações do Instituto Lula, Blog do Planalto e das agências de notícias

Leia mais:

 

5º Congresso Nacional “Luiz Gushiken Marcelo Déda” começa hoje

5º Congresso do PT: em debate o passado, presente e o futuro do Partido


Leia também