Entrevista à tvPT

Lula faz alerta: “Bolsonaro fala besteiras enquanto vendem o Brasil”

Em entrevista à tvPT, Lula adverte que país é governado de fato por Paulo Guedes e os presidentes da Câmara e do Senado. “Privatizam tudo a preço de banana e fazem a reforma administrativa para prejudicar o trabalhador"
:: Agência PT de Notícias25 de junho de 2021 17:10

Lula faz alerta: “Bolsonaro fala besteiras enquanto vendem o Brasil”

:: Agência PT de Notícias25 de junho de 2021

O presidente Lula alertou nesta sexta (25) em entrevista à tvPT que, enquanto Bolsonaro comete abusos na gestão da pandemia, como tirar máscaras de crianças, o país é governado realmente por pessoas que destroem o patrimônio nacional. “Bolsonaro está muito à vontade porque ele fala todas as besteiras, nós ficamos criticando o dia inteiro as besteiras, a imprensa reproduz as besteiras que ele fala, e quem está governando o país é o [Arthur] Lira, presidente da Câmara; é o [Rodrigo] Pacheco, presidente do Senado; e o [Paulo] Guedes, que vão vendendo o Brasil”, observou Lula (assista abaixo a integra da entrevista).

Lula aponta as privatizações e a reforma administrativa como dois exemplos do desmonte do país que ocorre em plena pandemia. “Eles vão desmontando as empresas estatais, vão privatizando tudo a preço de banana, vão fazendo a reforma administrativa para prejudicar o trabalhador menor. Não vai ser o procurador que fez as mentiras na Lava Jato que vai pagar o pato da reforma administrativa, vai ser o povo pobre, que coloca a mão na massa para carregar piano”, alertou Lula, que pediu a presença da bancada do partido na Câmara para aumentar a resistência ao desmonte. “É preciso não permitir que aconteça o que está acontecendo. Não se pode deixar o presidente da Câmara fazer a destruição que está fazendo.”

A destruição feita no país pelo governo Bolsonaro é o principal motivo para que Lula ainda avalie se será candidato ou não em 2022, explicou. Segundo ele, é preciso construir as alianças para que seja possível fazer a reconstrução que será necessária. “O problema não é ganhar. É ganhar e governar. Eu cheguei à Presidência em 2003 e meus assessores viram que o país estava quebrado. O Brasil hoje está mais destruído. Consertar o Brasil será muito mais complicado. Por isso, o povo não pode acreditar em mágico”, disse o presidente, que segundo as pesquisas venceria as eleições no primeiro turno caso elas ocorressem hoje.

Papel do Estado

Para Lula, a reconstrução do país passará pelo debate sobre o papel do Estado. “[Será um trabalho] muito sério governar o Brasil de 2022 para frente, porque será um processo de reconstrução do país. É possível que tenhamos de ter um grande debate sobre a reforma do Estado. Que Estado queremos? Parar com essa palhaçada, que parte da elite econômica quer, de que o Estado tem de ser fraco.”

“Não existe a possibilidade de o Estado ser fraco e ser justo ao mesmo tempo. Todos os Estados em que o povo tem qualidade de vida são Estados fortes. Mas aqui, querem que o Estado não participe das decisões econômicas, não seja um indutor do desenvolvimento.” (Lula)

Ainda sobre o Estado, o presidente Lula analisou a presença de militares no atual governo. Para ele, é preciso recuperar o papel central das Forças Armadas para o país. “Eu quero as Forças Armadas fortes, para nos defender de nossos inimigos externos. Defendo as Forças Armadas bem estruturadas. Agora, o cidadão tem de escolher. Se ele quer ser militar, ele tem uma função constitucional que ele tem de cumprir. Se ele quer ser político, ele não faça escola militar, ele vá para a política. Não pode misturar as coisas, porque senão você destrói as carreiras de Estado”, analisou.

“Eu não sei se é o Bolsonaro que está utilizando os militares agora, ou se são os militares que estão utilizando o Bolsonaro”, prosseguiu Lula. “É ruim para a democracia, vai destruindo algo para o qual a sociedade civil se preparou. Não tem sentido. Os militares deviam se preparar para defender nossa soberania, nossa fronteira, a Amazônia, o pré-sal e não mandar um comandante para ser o subcomandante da 4ª Frota americana, o que é uma vergonha, um general brasileiro subordinado a um general americano. Se tiver uma guerra, esse general vai ficar com quem?”, indagou.

Abaixo, a íntegra da entrevista:

Da Redação

Leia também