Midia internacional: inconfidência de Jucá mostra “telhado de vidro” de Temer

:: Da redação24 de Maio de 2016 16:06

Midia internacional: inconfidência de Jucá mostra “telhado de vidro” de Temer

:: Da redação24 de Maio de 2016

Jornais do mundo avaliam consequências do escândalo envolvendo Romero JucáOs mais importantes jornais do mundo acompanham de perto o desenrolar do golpe no Brasil. O holofote lançado nessa segunda-feira (23) sobre o ministro afastado do governo interino, Romero Jucá, escancarou o que o governo eleito já denunciava: não há nada de nobre na articulação do impeachment da presidenta Dilma. O The Guardian, principal jornal britânico, afirma que a queda do ex-ministro do Planejamento revelou a “trama maquiavélica” que abalou o governo interino.

Romero Jucá foi afastado do cargo após a Folha de S.Paulo divulgar partes de uma conversa entre ele e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, revelando a verdadeira intenção para o afastamento do governo eleito: estancar a sangria da Lava Jato.

Jucá até tentou se justificar. Disse que a conversa estava descontextualizada e que a sangria em questão era da economia. Não colou. Até porque, a conversa era claramente sobre a Lava Jato.

Para o Guardian, “as motivações dúbias e natureza maquiavélica da trama para retirar Dilma Rousseff do poder ficam aparentes na transcrição da conversa”. O jornal já antecipa que as pancadas no governo golpista não devem parar por aí: afinal, o gabinete usurpador inclui “sete ministros implicados na Lava Jato”.

“Seu gabinete todo branco e todo masculino foi duramente criticado por não ser representativo do país, suas medidas de austeridade são impopulares e seu líder já voltou atrás da decisão de tirar da Cultura o status de ministério após protestos de artistas, músicos e cineastas.”, diz o jornal.

A versão em português da BBC, também inglesa, ouve João de Castro Neves, da consultoria Eurasia Group. Ele avalia que o episódio envolvendo Jucá mostrou que a “Lava Jato continua muito viva e constitui um risco importante para a administração Temer”.

A reportagem da BBC mostra que além de Jucá, outros homens de confiança de Michel Temer e integrantes da cúpula do governo interino, como os ministros Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo, PMDB-BA), Moreira Franco (Secretaria de Parcerias e Investimentos, PMDB-RJ) e Eliseu Padilha (Casa Civil, PMDB-RS) são citados em mensagens de celular de Léo Pinheiro, da OAS, que fechou delação premiada na Lava Jato.

Todos eles negam irregularidades.

O “Financial Times”, principal jornal de economia e finanças da Grã-Bretanha, também disse que a saída de Jucá pode prejudicar o governo Temer, “bem quando ele está tentando lançar um plano econômico ambicioso que visa equilibrar as contas do Brasil e lançar as bases para uma recuperação econômica”.

Já o americano “The New York Times” disse que as “transcrições sugerem um plano por trás do esforço de afastar a presidente do Brasil”. Segundo a reportagem, as novas acusações devem “levantar mais questões sobre os motivos por trás do ímpeto de promover o impeachment de Dilma”.

Também poderiam, segundo o jornal, aumentar o escrutínio sobre outros ministros que enfrentam problemas legais.

 

Com informações do UOL e BBC Brasil