Devastação

Mourão defende Salles para camuflar a devastação da Amazônia

“O ministro tem a total confiança do presidente Bolsonaro e a minha também”, afirmou o vice-presidente. Apenas em junho, o desmatamento aumentou 10,7%, comparado com o mesmo mês do ano passado
:: Agência PT de Notícias13 de julho de 2020 09:52

Mourão defende Salles para camuflar a devastação da Amazônia

:: Agência PT de Notícias13 de julho de 2020

O vice-presidente general Hamilton Mourão pretende enfrentar a pressão dos investidores estrangeiros camuflando a devastação ambiental. É o que transpareceu em seu encontro na quinta-feira, 9, com investidores que ameaçam deixar o Brasil diante da situação de devastação ambiental da Amazônia. Participaram da reunião administradores de US$ 3,7 trilhões que haviam enviado carta ao governo, cobrando medidas efetivas contra o desmatamento da Amazônia.

Em coletiva após a reunião, o general Mourão defendeu o atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo “passar a boiada” Salles. “O ministro tem a total confiança do presidente Bolsonaro e a minha também”, afirmou o vice-presidente, o que não deve ter agradado aos convidados. Para Mourão, existe uma campanha difamatória, “geopolítica”, contra o agronegócio do país.

Os fatos, no entanto justificam não só a preocupação dos investidores, mas principalmente da sociedade brasileira. O desmatamento na Amazônia Legal cresceu pelo 14º mês consecutivo em junho, segundo dados preliminares do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Apenas em junho, o desmatamento aumentou 10,7%, comparado com o mesmo mês do ano passado, de acordo com informações do Deter, programa de satélite usado para acompanhar em tempo real o desmatamento. Nos primeiros seis meses do ano, a área devastada chegou a 3.066 quilômetros quadrados.

“Temos no poder um presidente que nos leva ao abismo interno e descrédito externo”, afirma o senador Paulo Rocha (PT-PA), alertando para os riscos ambientais que comprometem a imagem do país no exterior. De acordo com o senador paraense, a exploração clandestina de madeira ocorre também em terras indígenas, com suas lideranças ameaçadas pela violência paramilitar.

O incêndio que o vice-presidente tenta apagar, no entanto, já ameaça aos interesses econômicos do país. No início do mês, a chinesa Cofco International, anunciou que vai rastrear o processo de produção da soja proveniente do Brasil. A Cofco International é a maior empresa de processamento de alimentos da China. Um claro sinal de alerta.

O desastre anunciado da política ambiental do governo Bolsonaro também é alvo do Ministério Público Federal (MPF). Em ação, o MPF pediu o afastamento do cargo do ministro do Meio Ambiente,  Ricardo Salles por improbidade administrativa. Salles é acusado de promover “desestruturação dolosa das estruturas de proteção ao meio ambiente”.

Confira a íntegra da matéria

Leia também