ARTIGO

Neoliberalismo populista: o auxílio emergencial de Bolsonaro

A demagogia do governo atual não se sustenta, alerta Rogério Carvalho, em artigo
:: Senador Rogério Carvalho2 de setembro de 2020 12:49

Neoliberalismo populista: o auxílio emergencial de Bolsonaro

:: Senador Rogério Carvalho2 de setembro de 2020

A tendência a perda de apoio do Bolsonaro foi brecada com a concessão do auxílio de emergência de R$ 600. A concessão foi feita contra a vontade do ministro da economia, Paulo Guedes, que tolerou o benefício por alguns meses.

A reafirmação do teto de gastos, pedida sistematicamente pelo grande empresariado e pela mídia, obrigou Bolsonaro a uma moderação. Chegou a afirmar que estenderia os R$ 600 até o fim do ano, mas cedeu às pressões e não aceitou a redução para R$ 250, proposta pelo Paulo Guedes. Depois de discurso demagógico, de que não tiraria dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos, fixou em R$ 300 a continuidade do auxílio e jogou o Renda Brasil pra mais adiante.

Bolsonaro descobriu que a aplicação rígida da política ultra neoliberal de Paulo Guedes é uma via de derrota segura nas eleições. Quando passou a especular com a extensão dos R$ 600 como auxilio emergencial, sofreu os duros ataques da mídia de que se trataria de medida populista.

A direita usa o termo “populista” para se referir a governos que privilegiam os direitos sociais da população em detrimento do ajuste fiscal. Mas os governos do PT, sem ter teto de gastos, promoveram o desenvolvimento econômico, com distribuição de renda e aumento do salário mínimo 70% acima da inflação, sem desequilibrar as contas públicas, nem gerar inflação.

O que demonstra que fazer um governo que garante os direitos básicos das pessoas não precisa de um teto de gastos. Que não se trata de populismo, mas de justiça social.

A demagogia do governo atual não se sustenta, porque as concessões dos auxílios se chocam com o ajuste fiscal do modelo neoliberal. Bolsonaro teve no passado posições aventureiras, mas hoje ele sabe que precisa do apoio do grande empresariado e da mídia econômica. Dai o retrocesso da posição do governo e, certamente, da recuperação do apoio que havia conseguido.

Artigo originalmente publicado no Congresso em Foco

Leia também