desprezo pela vida

No Dia de Finados, o Brasil chora seus 160 mil mortos por Covid-19

Nesta segunda-feira (2), país tem 160,1 mil mortes confirmadas após oito meses de pandemia. O consórcio de veículos de imprensa também registrou 5,5 milhões de infecções por coronavírus. Em mais uma demonstração de desprezo pela vida humana, Bolsonaro afirma “não entender” medidas como ‘lockdown’, adotado no França. “Minha solidariedade à cada uma e cada um desses brasileiros que perderam seus entes queridos”, lamenta o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE)
:: Agência PT de Notícias2 de novembro de 2020 16:14

No Dia de Finados, o Brasil chora seus 160 mil mortos por Covid-19

:: Agência PT de Notícias2 de novembro de 2020

“Vidas que eram histórias, sonhos, momentos”. O líder do PT no Senado, Rogério Carvalho, lembrou, nesta segunda-feira (2), Dia de Finados, as 160.104 vidas perdidas por causa da Covid-19. O consórcio de veículos de imprensa também registrou 5,5 milhões de infecções por coronavírus, número alarmante que mantém o Brasil em terceiro lugar no mundo em número de contágios e segundo em mortes, atrás apenas dos EUA. Um país vítima de um governo sabotador e negligente, cujo presidente demonstra apenas desprezo pela vida humana.

“Quantos planos interrompidos? Quantas famílias destruídas?”, indagou Carvalho, pelo Twitter. “Minha solidariedade à cada uma e cada um desses brasileiros que perderam seus entes queridos. Força e fé que esse país volte um dia a cuidar de seus filhos”, escreveu o senador.

“Finados é um dia triste, lembramos aqueles que perdemos. E este dia de finados fica mais pesado ainda, com o Brasil chegando a 160 mil mortos por covid-19”, disse a presidenta do PT e deputada federal Gleisi Hoffmann. “Solidariedade a todas as famílias que choram seus mortos. Pensar que grande parte dessa tragédia poderia ter sido evitada”.

Sem plano, sem ministro
Oito meses depois da chegada do vírus ao país, o Brasil encontra-se à deriva, sem direção ou plano de emergência para controle e mitigação do surto, que diminuiu o ritmo de contágio não graças ao governo. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, está internando por causa de complicações da doença desde a sexta-feira (29).

Depois de ter testado positivo, ele chegou a gravar um vídeo ao lado de Bolsonaro, dizendo ter se tratado com hidroxicloroquina, a droga cujos testes foram abandonados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por falta de comprovação de sua eficácia. “Mais um caso concreto de que a hidroxicloroquina deu certo”, declarou Bolsonaro.

“Infelizmente o Sr. Ministro está internado”, afirmou o deputado federal (PT-SP), Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde nos governos Lula e Dilma. “Torço pela sua recuperação. E que ninguém caia mais nesse charlatanismo”, escreveu o deputado, pelo Twitter.

Confira a íntegra da matéria

Leia também