Juiz parcial

Novos elementos indicam que Lava Jato foi seletiva, afirma Rogério

Para o senador, diálogos mostram as reais intenções de Sérgio Moro na parcialidade das investigações da operação Lava Jato
:: Agência Senado2 de julho de 2019 09:37

Novos elementos indicam que Lava Jato foi seletiva, afirma Rogério

:: Agência Senado2 de julho de 2019

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) afirmou, nessa segunda-feira (1º/7), que a operação Lava Jato, antes conhecida pela primazia no combate à corrupção, começa agora a apresentar elementos que indicariam seletividade e conluio entre procuradores e juiz.

Diálogos publicados pelo site The Intercept Brasil, segundo o parlamentar, mostram que o então juiz e atual Ministro da Justiça, Sérgio Moro, tinha um projeto de poder, ao agir parcialmente e seletivamente, e ao trocar informações com os procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato.

Na avaliação de Rogério Carvalho, ao atuar assim, o ex-juiz Sérgio Moro conquistou a simpatia de brasileiros e foi indicado para assumir o cargo de Ministro da Justiça. Para o senador, o posto lhe dá condições de “perseguir adversários” e até mesmo a conquistar a presidência da República

E na construção de uma ilusão permanente na sociedade, em torno do combate à corrupção, de que ele seria o deus, o grande guardião da moralidade e da ética no país, e, portanto, o grande merecedor do voto e candidato à presidente da República”, acrescentou.

Rogério Carvalho lamentou que, em nome do combate à corrupção, todas as grandes construtoras do País tenham sido destruídas. Ele aproveitou para chamar a atenção de toda população para a revelação de novos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil e informou que as mensagens mostram alguns operadores da Lava Jato planejando uma operação de busca e apreensão na casa do atual senador Jaques Wagner (PT-BA), pouco antes do segundo turno das eleições do ano passado.

“Qual é a seriedade de algumas pessoas que, na condução da operação, foram demonstrando as suas verdadeiras intenções? nós estamos falando aqui dos gestos do Ministro Sergio Moro, que escondiam as suas verdadeiras intenções, que era chegar ao poder, que era ser candidato a Presidente da República, que era suceder o Bolsonaro. E isso ficou claro no momento em que os diálogos são apresentados”, critica o senador.

Leia também