Número de brasileiros que quitou suas dívidas bate recorde

16 milhões de pessoas limparam o nome até outubro - um aumento de 16,3%. Tendência é de queda da inadimplência, aponta Banco Central.

:: Da redação29 de novembro de 2012 16:21

Número de brasileiros que quitou suas dívidas bate recorde

:: Da redação29 de novembro de 2012

O número de brasileiros que procuraram os credores para quitar as dívidas bateu recorde no período de janeiro a outubro deste ano, segundo levantamento feito pelo a Serasa Experian, nesta quinta-feira (29/11). No período, 16 milhões de consumidores renegociaram o pagamento de contas atrasadas e limparam o nome. O resultado é recorde e representa um aumento de 16,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o número de pessoas que entraram na base de inadimplentes (21,5 milhões) cresceu 9,5% no período.

Na avaliação dos economistas da Serasa Experian, a notícia é ótima uma vez que, cada consumidor inadimplente tem, em média, cerca de cinco dívidas em atraso e deve quitar todas as pendências para sair da lista de devedores. A empresa avalia que o bom momento vivido pelo mercado de trabalho no País, com as taxas de desemprego em patamares baixos e ganhos salariais acima da inflação, tem motivado as pessoas a quitar as dívidas e dá dicas para ajudar na renegociação.

Queda

Relatório do Banco Central também divulgado nesta quinta-feira mostra continuidade da tendência de queda da inadimplência. Em outubro, a inadimplência das famílias ficou estável em 7,9%. O índice se refere aos atrasos acima de 90 dias. No caso das empresas, de setembro para outubro, houve alta de 0,1 ponto percentual, para 4,1%, segundo. “Mantemos a expectativa de redução da inadimplência ainda este ano, tendo em vista o crescimento do emprego, da renda e a redução da taxa de juros”, afirmou o chefe do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel.

Maciel acrescentou que a inadimplência cresceu ao longo de 2011 devido à expansão de crédito no final de 2011, principalmente de financiamentos de veículos com prazos muito longos e baixos valores de entrada. No final de 2010, o BC adotou medidas para conter a expansão desses financiamentos. De acordo com Maciel, os indicadores do crédito para a compra de veículos estão mais “favoráveis”, com arrefecimento da inadimplência. De setembro para outubro, a inadimplência nessa modalidade caiu 0,1 ponto percentual, para 5,9%.

Segundo Tulio Maciel, os prazos para financiamento de veículos agora são menores, os bancos estão mais seletivos e as garantias “têm sido bem melhores que aquelas dadas no período de 2010 e início de 2011”. “Também por termos contornado esse problema, nossa expectativa é redução de inadimplência ainda este ano”, reforçou.

Com agências onlines

Leia também